Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Publicidade

Ao chamar críticos de 'palhaços', assessor de Bolsonaro nega gesto autoritário

Filipe Martins disse que vai processar e responsabilizar 'um a um' e afirmou que essas pessoas têm 'mentes doentias'

Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República
Filipe Martins, assessor especial da Presidência da RepúblicaArthur Max/MRE
Por IG - Último Segundo
O assessor especial da Presidência da República, Filipe Martins , chamou de "palhaços" as pessoas que o acusaram de fazer um gesto supremacista branco durante sessão no Senado nesta quarta-feira (24) e disse que vai processar e responsabilizar "um a um".
Segundo Martins, o suposto gesto foi, na verdade, o momento em que ele estava ajustando um microfone em seu terno.
Publicidade
"Um aviso aos palhaços que desejam emplacar a tese de que eu, um judeu, sou simpático ao "supremacismo branco" porque em suas mentes doentias enxergaram um gesto autoritário numa imagem que me mostra ajeitando a lapela do meu terno: serão processados e responsabilizados; um a um", escreveu o assessor no Twitter.
Publicidade
O suposto sinal com a mão foi feito por Martins enquanto o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) discursava. Na sessão, o ministério das Relações Exteriores, comandado por Ernesto Araújo, teve que explicar a escassez de imunizantes e a demora para obtê-los.
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) acionou a polícia para que Filipe Martins fosse retirado do Senado e autuado. Segundo o parlamentar, o gesto de juntar o polegar ao indicador é utilizado por supremacistas brancos ao redor do mundo. Os três dedos levantados formam a letra "W" e o círculo feito com o polegar e o indicador foram a letra "P", que seria uma referência a frase "White Power" (Poder Branco, em tradução livre do inglês).
Você pode gostar
mais notícias
Ao chamar críticos de 'palhaços', assessor de Bolsonaro nega gesto autoritário Ao chamar críticos de 'palhaços', assessor de Bolsonaro nega gesto autoritário | Brasil | O DIA
Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Publicidade

Ao chamar críticos de 'palhaços', assessor de Bolsonaro nega gesto autoritário

Filipe Martins disse que vai processar e responsabilizar 'um a um' e afirmou que essas pessoas têm 'mentes doentias'

Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República
Filipe Martins, assessor especial da Presidência da RepúblicaArthur Max/MRE
Por IG - Último Segundo
O assessor especial da Presidência da República, Filipe Martins , chamou de "palhaços" as pessoas que o acusaram de fazer um gesto supremacista branco durante sessão no Senado nesta quarta-feira (24) e disse que vai processar e responsabilizar "um a um".
Segundo Martins, o suposto gesto foi, na verdade, o momento em que ele estava ajustando um microfone em seu terno.
Publicidade
"Um aviso aos palhaços que desejam emplacar a tese de que eu, um judeu, sou simpático ao "supremacismo branco" porque em suas mentes doentias enxergaram um gesto autoritário numa imagem que me mostra ajeitando a lapela do meu terno: serão processados e responsabilizados; um a um", escreveu o assessor no Twitter.
Publicidade
O suposto sinal com a mão foi feito por Martins enquanto o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) discursava. Na sessão, o ministério das Relações Exteriores, comandado por Ernesto Araújo, teve que explicar a escassez de imunizantes e a demora para obtê-los.
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) acionou a polícia para que Filipe Martins fosse retirado do Senado e autuado. Segundo o parlamentar, o gesto de juntar o polegar ao indicador é utilizado por supremacistas brancos ao redor do mundo. Os três dedos levantados formam a letra "W" e o círculo feito com o polegar e o indicador foram a letra "P", que seria uma referência a frase "White Power" (Poder Branco, em tradução livre do inglês).
Você pode gostar
mais notícias