Aos 50 anos, Denise Fraga comemora 30 de carreira

Em cartaz no teatro, atriz concorre ao Emmy e celebra duas décadas de casamento

Por daniela.lima

Denise completou 30 anos de carreiraMaíra Coelho / Agência O Dia

Rio - Cinquenta anos de vida, 30 de carreira e 20 de casamento. Este é um ano de comemorações para Denise Fraga, que está em cartaz no Teatro dos Quatro com a peça ‘Chorinho’. O passar do tempo trouxe para a atriz uma trajetória repleta de sucessos e uma união sólida com o diretor Luiz Villaça, mas nem assim fazer 50 anos é simples. “Esse número dá uma assustada, claro. Não é fácil envelhecer, na verdade é uma m... De repente, tenho 30 anos de carreira, mas é bonito ver a minha trajetória. Às vezes, é esquisito se ver velha no espelho, mas a nossa alma não tem rugas”, comenta. “Eu sou uma pessoa sortuda. Cada oportunidade que a sorte me deu, eu catei bem (risos).”

A celebração de tantas datas significativas só poderia ser no Rio, que, ao contrário do que muitos imaginam, é a cidade natal da atriz. “Muita gente pensa que eu sou de São Paulo, mas sou do Lins de Vasconcelos, onde escolhi esse ofício. Já estamos há dois anos e meio em cartaz com ‘Chorinho’, fizemos duas temporadas em São Paulo, passamos por várias capitais, mas estar aqui no Rio é especial”, afirma.

De quinta a domingo, Denise se despe de qualquer vaidade para interpretar uma moradora de rua que conversa sobre a vida com uma aposentada de classe média. O preconceito e a rejeição inicial dão lugar a uma rica troca de experiências. “Esse espetáculo surgiu da minha vontade de falar sobre o relacionamento humano e da nossa dificuldade de convívio, de como a gente se priva um do outro. Até por conta das redes sociais, nós estamos sendo destreinados do convívio olho no olho. Hoje em dia, o amigo que lê o seu olhar está em falta”, analisa a atriz, que pode ser vista na TV no seriado ‘3 Teresas’, no GNT.

Sem perfil no Facebook e com uma conta no Instagram pouco movimentada, Denise prefere a comunicação à moda antiga. “Eu preciso encontrar os amigos, eu amo uma mesa, uma cervejinha, uma boa conversa. Isso aqui (aponta para o celular) mudou o comportamento humano. Todos nós estamos viciados, uns mais, outros menos. Mas a gente tem que remar contra de algum jeito. O celular é sensacional, não dá para negar, só que a gente não escolheu esse novo modo de se relacionar, a gente foi escolhido. Nada substitui o olho no olho”, frisa.

Denise também foi escolhida por São Paulo, aonde foi levada pelo trabalho, mas fisgada de vez depois que conheceu o diretor Luiz Villaça, seu marido, pai dos seus dois filhos: Nino, de 17 anos, e Pedro, de 15. “Com 24 anos, fui para São Paulo fazer a peça ‘Trair e Coçar é Só Começar’ e acabei ficando em cartaz por seis anos, mas morava em um flat, resistia em fixar residência. São Paulo virou um caso de amor, literalmente, quando eu conheci o Luiz, fazendo um curta que ele dirigiu. Ali, vi que não tinha mais jeito, que precisava ficar lá”, recorda.

E, já que o namoro havia nascido em um set de filmagem, não havia mal algum em seguirem caminhando juntos também profissionalmente. Desse casamento nasceram também vários trabalhos na TV, como o ‘Retrato Falado’ — quadro do ‘Fantástico’ que está sendo reprisado no Canal Viva — e o seriado ‘A Mulher do Prefeito’, que foi indicado para o Emmy. “A festa vai ser no dia 24 de novembro e eu estarei lá em Nova York”, vibra.

A parceria com o marido é vitoriosa e bem-vinda, mas Denise cogita a hipótese de uma breve separação profissional. “Eu tenho vontade de voltar a fazer novela. Todas as vezes que me chamaram, eu tinha um projeto que me impedia de aceitar. Só preciso de um convite com certa antecedência para voltar.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia