Por daniela.lima

Rio - É inacreditável. “Estamos há 45 anos na estrada, nunca pensamos que iríamos durar tanto”, espanta-se Dewey Bunnell, cofundador do clássico grupo America. “Acho que a explicação é que amamos tocar e fazer turnês. Para mim, voltar ao Brasil é particularmente especial. Em 2010, eu e minha mulher fizemos um cruzeiro pelo Rio Negro, na Amazônia. Dormimos em redes, vimos botos cor-de-rosa, pescamos e cozinhamos na beira do rio, foi espetacular. Desta vez, temos dois integrantes novos na banda que nunca vieram ao Brasil, eles vão pirar. Estou ansioso para eles conhecerem o povo, as praias, as comidas.” 

Dewey Bunnell e Gerry Beckley%3A integrantes originais do AmericaDivulgação


Neste retorno ao Brasil, não estão previstos botos nem nada de vida selvagem: no show do dia 19, no Citibank Hall, estarão presentes apenas os saudosos e calorosos fãs, que não se cansam de cantar ‘Horse With No Name’, ‘Tin Man’, ‘I Need You’, ‘Ventura Highway’, ‘Sister Golden Hair’, ‘You Can Do Magic’ e tantos outros de seus sucessos atemporais. “Ainda hoje, eu percebo que cada geração pegou um pouco da influência do America, das melodias, dos violões e das harmonias vocais. Muita gente nova segue nos descobrindo, como por exemplo a (banda inglesa) Mumford & Sons, que usa os mesmos elementos”, compara Bunnell. “Não temos muita técnica, é tudo pela canção mesmo. E é por isso que seguimos na estrada por tanto tempo.”

A seu lado, estará também o integrante original Gerry Beckley, parceiro nessas quatro décadas e meia de carreira (originalmente, o America era um trio, completado por Dan Peek, que saiu em 1977). “São muitas lembranças maravilhosas, desde quando trabalhamos nos anos 70 com o (produtor dos Beatles) George Martin, viajamos por diferentes estúdios pelo mundo, chegamos mesmo a encontrar com os Beatles individualmente e até usamos o sino de ‘Yellow Submarine’ certa vez em uma gravação”, rememora. 

Mas o America não vive só de passado, e Dewey Bunnell se entusiasma para falar das novidades. “Gravamos um CD, se chama ‘Lost And Sound’, tem dez músicas novas, e vamos tocar duas delas no show, acho que seria legal anunciar isso aí na matéria!”, recomenda ele. Pronto, tá aí: “É que queremos que os ouvintes brasileiros prestem atenção a esse novo repertório, é um projeto muito especial, de músicas que a gente fez nos últimos dez anos e que ninguém ouviu ainda!”

Você pode gostar