Mais Lidas

V-Trix vem fazendo a diferença nos palcos em que se apresenta

Além da música boa, banda também chama a atenção pelas performances e releituras de sucessos pop nacionais e internacionais

Por bianca.lobianco

V-Trix vem fazendo a diferença nos palcos em que se apresentaDivulgação

Rio - Cria da noite carioca, a banda V-Trix vem fazendo a diferença nos palcos em que se apresenta. E não apenas pela música, mas também pelas performances dos shows, em todas as releituras que fazem de sucessos pop nacionais e internacionais. Em ‘Rock das Aranhas’ (Raul Seixas), entra um cantor fantasiado de Raul e mais dois integrantes com fantasias de aranhas. Numa releitura do É O Tchan, dois integrantes aparecem vestidos (ou despidos) como Sheila Mello e Scheila Carvalho — e um outro veste-se de Jacaré, só que no caso é uma fantasia de jacaré (o animal) mesmo.

Enquanto isso, ao lado, no camarim, outros integrantes já estão se vestindo ou de Village People (para o hit ‘Y.M.C.A’), Fat Family (para cantar ‘Jeito Sexy’) ou de Michael Jackson (em ‘Thriller’). Fantasias de Freddie Mercury (Queen) e Mamonas Assassinas também passam pelo palco. Um lado brincalhão que tem feito vários fãs, em apresentações em casas como Lapa 40° — e que deve chegar ao CD (num EP autoral, com músicas como ‘Te Mete’ e ‘Drag Queen’) e ao DVD neste ano. Na hora de montar o repertório das apresentações, muita criatividade para não deixar o palco vazio e dar tempo dos cantores trocarem de figurino.

“Dá um trabalhinho. Eu mesmo canto algumas músicas enquanto os cantores trocam de roupa”, conta o baterista Iuri Santana, que montou a banda em 2001 ainda com o nome de Matriz, e hoje divide os trabalhos com Bruno Fernandes (baixo e voz), Edgard Saraiva (teclados e voz), Robinho Barreto (guitarra), Viny Vince, Hugo Faro e Josie Rodrigues (cantores) . “Quando imitamos Michael Jackson, tem um cantor que solta a voz antes e outro depois, para dar um apoio. A mesma coisa quando tocamos ‘Y.M.C.A’, do Village People”. O grupo promove encontros inusitados no palco, como o de Ed Motta com seu tio Tim Maia. Freddie Mercury, por sua vez, põe um sombrero mexicano e canta ‘Pelados Em Santos’, dos Mamonas Assassinas (sem os agudos do vocalista do Queen e com voz assemelhada a de Dinho, vocalista do saudoso grupo).

V-Trix vem fazendo a diferença nos palcos em que se apresentaDivulgação

COMÉDIA

Unir música com festa no palco acaba sendo um grande desafio para a o V-Trix (dos integrantes, o único que é envolvido com teatro é o vocalista Hugo). Para que a música não pare — os músicos emendam uma canção na outra, quase como DJs — haja rapidez nas idas e vindas do palco e nas trocas de roupa. Às vezes, dá galho. Mas o grupo resolve.

“Já aconteceu de rasgar velcro em cima do palco e a roupa abrir. A Josie, uma vez, tropeçou porque voltou rápido para o palco, enfiou o salto numa fresta da madeira do chão, e caiu. Um dos cantores estava imitando Michael Jackson, resolveu jogar a perna para o alto como o Michael fazia, e caiu de costas. Mas como isso tudo é realizado na base da comédia, acaba fazendo parte do espetáculo”, brinca Iuri.

O fim de 2016 foi trabalhoso para a banda. “Eu até brinquei com amigos: ‘Em dezembro não vou existir’”, recorda a vocalista Josie, que se prepara para a batalha com alimentação adequada, caminhadas e água. “A gente deu três shows numa só noite, em vários momentos. Tem dia que a gente sai dez horas da manhã e volta com o dia seguinte nascendo, indo de um evento para o outro. Fazemos muitas festas para empresas, eventos fechados. E é muito legal receber os fãs no camarim, muita gente vai lá tirar foto com a gente”, alegra-se.

A cantora, por acaso, entrou oficialmente para o V-Trix num dia, digamos assim, bastante conturbado: o histórico 11 de setembro de 2001, quando ocorreu o ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center, em Nova York. “E o primeiro show dela foi justamente ao lado da sede do Consulado dos Estados Unidos! Imagina a tensão”, recorda Iuri. “E eu ainda tinha que descontrair no palco! É estranho, porque a TV sempre mostra tragédias nesse dia e eu me lembro de pelo menos uma coisa boa”, completa Josie.

O grupo já se chamou Matriz e mudou para V-Trix numa brincadeira com o “v” de “virtual” e um “x” que veio de uma confusão constante que alguns fãs faziam entre “matriz” e “matrix”. “Tem gente que até hoje fala: ‘Acompanho vocês desde o Matrix’”, brinca Iuri, que além do EP e do DVD pensa num clipe de música própria para este ano. “Temos um repertório autoral bem grande”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia