Enem: PCDs se sentem excluídos

Modalidade digital do Enem, marcada para 2021, não oferece recursos de acessibilidade a todos

Por O Dia

Recursos disponíveis só alcançarão os candidatos que farão provas presenciais
Recursos disponíveis só alcançarão os candidatos que farão provas presenciais -

Depois de muita polêmica sobre as novas datas para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcadas para os dias 14 e 24 de janeiro de 2021, a insatisfação de muitos candidatos ainda continua. Principalmente os que têm alguma deficiência. É que os recursos de acessibilidade disponíveis só alcançarão os candidatos que farão provas presenciais. De acordo com o edital, para a modalidade digital não serão oferecidos recursos como letras ampliadas, leitura para cegos, tempo ampliado ou outras formas de acessibilidade.

Os candidatos com baixa visão, visão monocular, cegueira, deficiência auditiva, surdez, deficiência intelectual, surdocegueira, dislexia, discalculia, déficit de atenção, autismo e em classe hospitalar estão excluídos da primeira versão digital do concurso.

Fundadora da MultiDom Educação Inclusiva, plataforma que viabiliza o ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nas escolas, Rosiane de Mello diz que a falta de alternativa na versão digital não colabora na busca de um sistema igualitário. "Muitos recursos de acessibilidade estarão disponibilizados para os mais de 52 mil candidatos que declararam em sua inscrição possuírem alguma deficiência. Porém, todos os recursos somente estarão disponíveis para provas presenciais", frisa.

De acordo com a empreendedora social, serão pelo menos três grandes desafios. "O primeiro, recorrente desde antes da pandemia, será a chegada desses jovens ao ensino médio, desconstruindo todas as barreiras impostas pela exclusão; o segundo, a escassez de aulas em tempos de pandemia que fragiliza o acesso à educação; e o terceiro, a exclusão desses candidatos ao acesso do Enem virtual lançado para esse ano como explicita o edital", pontua Rosiane.

Comentários