Mais Lidas

Para Müller, Maraca é o lugar certo para levantar a taça de campeão mundial

Meia-atacante é o artilheiro germânico na Copa do Mundo e exaltou a disputa da final no estádio carioca

Por fabio.klotz

Müller é uma das feras da AlemanhaDivulgação

Bahia - A Alemanha é uma das seleções que ficará por mais tempo no Brasil. Finalista da Copa do Mundo, os germânicos têm aproveitado sua estada em todos os sentidos: visitando praias, pontos turísticos e treinando bastante para enfrentar a Argentina. Porém, a jornada está chegando ao fim, já que nesta sexta-feira os alemães deixam Santa Cruz Cabrália com destino ao Rio, onde têm compromisso marcado no Maracanã. Thomas Müller está ansioso para voltar ao estádio, local em que a seleção venceu a França nas quartas.

“Infelizmente não tivemos nenhuma visita guiada ao Rio, então é difícil conhecer a mágica da cidade. Mas existe mais uma razão pela qual eu gostaria de voltar, o próprio Maracanã tem sua história, mesmo se mudou sua arquitetura, quando você olha a história dos anos 50, 60, mesmo assim é um estádio sagrado para qualquer pessoa que trabalha com o futebol. Vejo o Maracanã como o lugar certo para levantar a taça.”

Quando ao assunto é a goleada de 7 a 1 aplicada sobre o Brasil, o jogador também fez questão de garantir que a Alemanha não diminuiu o ritmo preocupada em não humilhar a seleção canarinha.

“Com placar de 5 a 0, tínhamos uma situação especial e não teríamos que nos tornar confiantes em excesso. Não é que teríamos que evitar essa humilhação, nós queríamos apenas jogar um futebol decente, sério e não tentar então brigar com estrelas e realmente ter dribles importantes. Não houve nada entre treinador e jogadores.”

LEIA MAIS: A consagração final da Alemanha

Artilheiro da Alemanha na Copa do Mundo com cinco gols, Müller afirmou que não verá problemas caso precise voltar para marcar Messi.

“Futebol realmente envolve muita corrida. É o DNA. Contra qualquer adversário, especialmente a Argentina, temos de correr bastante. Você tem de sair atrás do adversário. Eu tenho de ajudar os meus colegas trazendo de volta a bola. E, se realmente tiver que acompanhar Messi, vou ter de correr porque ele não é dos mais lentos, não é verdade? Realmente tenho de correr muitos quilômetros, esse é um dos ingredientes mais importantes.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia