Instituto americano começa testar vacina contra zika em humanos

A primeira fase do estudo avaliará a segurança e a capacidade da vacina para prevenir a infecção pelo vírus

Por rafael.nascimento

EUA - O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID, na sigla em inglês), anunciou o início dos testes em humanos de uma vacina experimental contra o vírus da zika. A primeira fase do estudo avaliará a segurança e a capacidade da candidata a vacina para prevenir a infecção pelo vírus.

Segundo o NIAID, pelo menos 80 voluntários saudáveis com idades entre 18 e 35 anos participarão do estudo em três locais nos Estados Unidos. A vacina de DNA foi desenvolvida pelos cientistas do Centro de Pesquisa em Vacinas (VCR, na sigla em inglês) do NIAID. "Uma vacina segura e eficaz para prevenir a infecção pelo vírus da zika e os devastadores defeitos congênitos por ele causados é um imperativo para a saúde pública", disse o diretor do NIAID, Anthony Fauci.

80 voluntários saudáveis com idades entre 18 e 35 anos participarão do estudo em três locais nos EUADivulgação

Além da vacina de DNA do NIAID, uma outra candidata a vacina contra a zika, produzida pelo laboratório americano Inovio, já havia sido aprovada para testes clínicos em humanos. A empresa, que desenvolve a nova vacina em parceria com a GeneOne Life Sciences, da Coreia do Sul, anunciou a aprovação no dia 20 de junho.

O laboratório francês Sanofi também tem planos para iniciar em 2017 testes em humanos com uma outra vacina contra a zika. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há mais de 20 projetos de vacina contra o vírus da zika em países como os Estados Unidos, Brasil, Índia, França e Áustria.

Segundo Fauci, o NIAID trabalhou rapidamente para preparar a candidata a vacina e os resultados dos testes pré-clínicos em animais foram animadores. "Estamos contentes por podermos agora seguir com esses estudos iniciais em pessoas. Embora vá levar algum tempo até que uma vacina contra a zika esteja comercialmente disponível, o início desse estudo é um importante passo adiante", declarou Fauci.

Base genética

A abordagem utilizada pelo NIAID para o desenvolvimento da vacina experimental é semelhante à que foi usada na vacina desenvolvida pelo instituto contra o vírus do Oeste do Nilo, que foi considerada segura e induziu respostas imunes nos pacientes que participaram da fase 1 de testes clínicos.

A vacina inclui um pequeno fragmento circular de DNA - chamado de plasmídeo - que os cientistas construíram para envolver os genes que codificam proteínas do vírus da zika. Quando a vacina é injetada nos músculos do paciente, suas células identificam os genes e produzem proteínas específicas do vírus da zika, que se organizam no plasmídeo em uma arranjo semelhante ao de partículas do vírus.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia