Uso de drogas provocou delírio e morte de brasileiro, diz polícia do México

Procuradoria-Geral de Justiça ouviu irmão de Dealberto que falou sobre consumo de ecstasy

Por tamara.coimbra

México - O brasileiro Dealberto Jorge da Silva Junior caiu do edifício onde estava hospedado em resort na Playa del Carmen, México, durante um delírio de perseguição provocado pelo consumo excessivo de ecstasy e álcool, de acordo com a polícia mexicana. As informações são do site Unión Cancún.

Russa citada por Dealberto conta que brasileiro consumiu álcool e drogas

A Procuradoria-Geral de Justiça de Quintana Roo, onde Playa del Carmen está localizada, chegou a essa conclusão após ouvir depoimento do irmão de Dealberto, Fernando Luís da Silva, que havia viajado com ele para o casamento de um amigo.

Dealberto Jorge Silva%2C de 35 anos%2C foi encontrado morto em Cancún, no MéxicoReprodução Facebook

Segundo boletim divulgado nesta quarta-feira, Dealberto morreu por fratura crânio-encefálica após cair acidentalmente de um quarto. Em seu twitter, o procurador Gaspar Armando García Torres afirma que "não existiu ameaça de sequestro e que tudo foi uma paranoia devido ao consumo excessivo de droga e álcool", afirmação confirmada em depoimento por Fernando.

Além disso, uma testemunha relatou à polícia ter visto o brasileiro tentando se equilibrar no alto de um edifício no condomínio Mamitas e que o empresário fazia movimentos confusos. Essa pessoa diz ainda não ter visto ninguém com Dealberto na sacada do apartamento.

Quanto a russa Ekaterina Vasileva, apontada como suspeita por Dealberto em um áudio que ele enviou aos amigos no Brasil, Torres explica que ela conheceu o empresário após brigar com o namorado no dia 7 de janeiro por meio de um amigo em comum. Ambos se encontraram pela primeira vez no dia 9.

Investigação

Por meio de relatos, autoridades mexicanas concluíram que os irmãos saíram com Ekaterina na madrugada do último sábado e consumiram "álcool em excesso e vários tipos de drogas". Ao retornarem ao hotel, Fernando admitiu que os empregados do local notaram a mudança de comportamento da dupla e pediram calma a eles. Mais tarde, os irmãos combinaram em desfazer seus celulares para evitar serem rastreados, assim como seus sapatos, para não serem identificados. Por causa da ideia de perseguição, ambos combinaram se separar para tentar se esconder.

Dealberto e o irmão, Fernando, viajando para o MéxicoReprodução Facebook

Por causa dessa sensação de que algo ruim aconteceria a eles, Fernando enviou mensagem a um parente falando sobre um possível sequestro. Depois de se esconder, o irmão de Dealberto afirmou em depoimento que, do esconderijo, notou a movimentação de patrulhas e imaginou que alguém havia morrido.

Depois, pegou um táxi até Cancún e andou pelas ruas do local até ficar sem dinheiro. Foi aí que ele decidiu ligar para um amigo, que contatou alguém para ajudá-lo. Mais tarde, ele admitiu nunca ter havido sequestro ou perseguição, e que "tudo foi resultado do efeito das drogas".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia