Por Paulo Capelli
Publicado 01/02/2018 03:00 | Atualizado há 3 anos

Rio - Varredura do governo federal em 31 presídios de sete estados do Norte e Centro-Oeste do país revela um dado alarmante: metade da população carcerária está armada. O relatório aponta que, dos 22 mil presidiários monitorados, 11 mil possuem armas brancas, como facas, ou até mesmo armas de fogo (minoria).

Para fazer o levantamento, o Ministério da Defesa utilizou aparelhos de raio-X, scanners, câmeras e drones (câmeras acopladas a mini-helicópteros). A inspeção foi iniciada pelas Forças Armadas há seis meses, concluída no fim do ano passado e passou por sete estados que solicitaram a ajuda do governo federal. "Foram usados equipamentos de última geração adquiridos para a Olimpíada (de 2016). Qualquer estado pode solicitar a varredura", afirma o ministro Raul Jungmann (PPS).

Curiosamente...

O Palácio Guanabara não pediu ao governo federal que fizesse a varredura nos presídios do Rio. Ainda é tempo. Não ver o problema não o torna inexistente.

'Acordo'

O governo federal encontrou celulares, radiotransmissores, fogões, freezers e até geladeiras dentro de celas. Indagado sobre como uma geladeira entrou na cadeia, Jungmann foi direto: "Isso não seria possível sem algum tipo de acordo tácito entre o sistema prisional e as gangues que estão lá dentro e controlam esses presídios."

Comunista no páreo

O PCdoB lançou a pré-candidatura de Leonardo Giordano, 37 anos, ao governo estadual. Ele é vereador em Niterói desde 2012.

'Não viemos para dividir'

Principal liderança do PCdoB no estado, a deputada federal Jandira Feghali não acredita que o lançamento de pré-candidaturas independentes de partidos de esquerda (como Psol, PT e PDT) seja prejudicial. "Tanto no estado como no Brasil, o nosso papel é construir uma unidade política, uma agenda social. Ter pré-candidato é importante para se ter voz. Quais pré-candidaturas vão virar candidaturas, só o tempo vai dizer", disse a comunista. O PCdoB pretende lançar Manuela D'Ávila à Presidência.

Participação feminina

Financiado por empresários, o movimento RenovaBR foi criado "com o propósito de acelerar novas lideranças políticas" e, para isso, seleciona bolsistas para curso de formação. Só que já começa com uma derrapada: dos 100 escolhidos até agora, apenas 26% são mulheres. Se fosse um partido, o RenovaBR descumpriria a lei que reserva um mínimo de 30% das candidaturas para mulheres.

O Jobs da política

De passagem pelo Brasil, o estrategista eleitoral francês Guillaume Liegey tem sido assediado por dezenas de políticos após atuar nas vitoriosas campanhas Obama e Macron (EUA e França). Já se reuniu com presidenciáveis como Geraldo Alckmin (PSDB), com o ex-ministro Marcelo Calero (sem partido) e, hoje, encontra os deputados federais Indio da Costa (PSD-RJ) e Cristiane Brasil (PTB-RJ). Promete, com um software, revelar necessidades do eleitorado em microrregiões por meio de grande base de dados.

Boa-noite

Anthony Garotinho (PR) é crítico da TV Globo, mas se baseia na programação da emissora para fazer suas transmissões ao vivo no Facebook. "Hoje, logo após o 'Jornal Nacional', estarei fazendo um 'live' sobre a crise do estado", divulgou o ex-governador, ontem, no WhatsApp.

Você pode gostar
Comentários