A jogadora de vôlei do Sesc RJ Gabi - Maíra Coelho/ O DIA
A jogadora de vôlei do Sesc RJ GabiMaíra Coelho/ O DIA
Por O Dia
Publicado 26/01/2018 14:00 | Atualizado há 3 anos

De volta às quadras desde dezembro após uma cirurgia no joelho direito realizada em setembro, a ponteira Gabi iniciou o ano com a cabeça voltada para jogar em sua melhor forma. No retorno às competições, ela sentiu a falta de ritmo de jogo e agora busca a regularidade que possa fazer a diferença para o Sesc RJ. "Estou conseguindo me adaptar. O Bernardo teve muita paciência e as meninas também. Voltei errando muito. Estou feliz de estar reintegrada à equipe e nem lembro que operei", diz ela.

Gabi conta que está acostumada a se cobrar muito: "No início, me dei um pouco mais de crédito. Eu me cobro mesmo, mas sem tanta loucura também". Antes da cirurgia, Gabi tentou tratamentos alternativos para a tendinite patelar no joelho direito. Depois, conversou com outras atletas que já operaram, como a amiga Natália, e se tranquilizou: "Era uma situação que atrapalhava o meu rendimento. Mas faz parte da vida do atleta de alto rendimento".

MUNDIAL NOS PLANOS

Nesta sexta-feira, às 20h, o Sesc RJ enfrenta o Pinheiros, no ginásio do Tijuca, pela quinta rodada do returno da Superliga. O time carioca vem de derrota para o Vôlei Nestlé, de Osasco (SP), pela Copa Brasil. "Não fizemos um bom jogo e ficamos realmente incomodadas. Tem o lado de querer se dedicar mais e treinar mais. O Pinheiros fez um jogo duro contra o Praia Clube (perdeu por 3 sets a 2) e será um grande desafio", alerta Gabi.

Aos 23 anos, ela também vive a expectativa de voltar à Seleção neste ano e disputar o Mundial, de 29 de setembro a 20 de outubro, no Japão. "Estou bem ansiosa para voltar a jogar bem, ser convocada. É um título que quero muito. O Brasil todo quer. Vai ser um ano dificílimo, com grandes rivais".

Você pode gostar
Comentários