Promotora que investiga exonerações de Crivella teve filho nomeado na gestão Paes

Gláucia apura a contratação de pessoas ligadas à Igreja Universal do Reino de Deus. O foco está justamente nas secretarias da Casa Civil (onde o filho Glauco bateu ponto), Assistência Social, Educação e Cultura, além da Fundação de Parques e Jardins

Por Cassio Bruno (interino)

Filho de Gláucia foi lotado, de fevereiro a dezembro de 2016, na Casa Civil, e atuou em atividades relacionadas aos Jogos Olímpicos do Rio
Filho de Gláucia foi lotado, de fevereiro a dezembro de 2016, na Casa Civil, e atuou em atividades relacionadas aos Jogos Olímpicos do Rio -

Rio - A promotora Gláucia Maria da Costa Santana, que investiga as exonerações em massa na gestão Marcelo Crivella (PRB), teve o filho nomeado na administração do ex-prefeito Eduardo Paes (DEM). Profissional de Educação Física, Glauco Costa Santana foi lotado, de fevereiro a dezembro de 2016, na Casa Civil, e atuou em atividades relacionadas aos Jogos Olímpicos do Rio. Deixou o cargo automaticamente na troca de governo.

Gláucia apura a contratação de pessoas ligadas à Igreja Universal do Reino de Deus. O foco está justamente nas secretarias da Casa Civil (onde o filho Glauco bateu ponto), Assistência Social, Educação e Cultura, além da Fundação de Parques e Jardins.

Preocupada

Ao Informe, Gláucia Maria da Costa admitiu ter ficado preocupada com possíveis questionamentos. No entanto, a promotora afirmou não ter se sentido impedida de investigar as possíveis nomeações de fiéis da Universal.

Mas continuará

"Nunca deixei de investigar a prefeitura mesmo com ele lá. Estou neste posto há 18 anos. Vou continuar com a apuração do aparelhamento da máquina municipal por um segmento religioso", declarou Gláucia, ressaltando que a exoneração foi no fim da gestão Paes.

Tucano adestrado?

Felipe Michel (PSDB) foi um dos principais defensores de Crivella na sessão desta quinta-feira. "Estou aqui para dar a cara. Sou contra o impeachment. Vamos parar com essa palhaçada", afirmou ele no discurso.

Assistencialismo

Michel é ex-jogador de futebol e é acusado pelo Tribunal Regional Eleitoral de distribuir óculos à população em Jacarepaguá, em 2016, ano de eleição, por meio de um programa da Prefeitura.

Sem fundamento

"A denúncia não tem fundamento. Em 2016, eu era pré-candidato a vereador de oposição ao ex-prefeito Eduardo Paes. Apoiava o Carlos Osório para prefeito", disse Felipe Michel. O processo ainda tramita.

Isenção fiscal

Pezão mandou à Alerj um projeto que autoriza a fazer, digamos, uma troca com as concessionárias de luz, água e telefone e com distribuidoras de combustível. Ao invés de o Estado pagar as contas que tem com essas empresas, elas teriam direito à redução de impostos.

Bagunçou

O projeto foi à votação em junho, mas o PSOL bagunçou tudo. O partido aprovou uma emenda em que apenas as empresas que estão na dívida ativa com o Estado podem fazer esse tipo de compensação.

Fora do sistema

Ou seja: no lugar de o Estado abrir mão dos impostos, receberia o que as empresas devem. Mas até hoje não há no sistema da Alerj o envio da redação final do projeto com a emenda ao Executivo.

Alô, é roubado?

De dezembro de 2016 a maio deste ano, a Polícia Civil do Rio já incluiu 51.566 celulares no Cadastro de Estações Móveis Impedidas (CEMI). O sistema serve para que o consumidor saiba se o aparelho foi roubado ou clonado.

Sai do meu trem

Os vagões dos trens da Supervia foram loteados por vendedores ambulantes. Nesta sexta-feira, um deles, que não pertencia ao grupo, foi expulso e só não apanhou porque a turma do deixa disso impediu.

Comentários