OSs podem ter recebido R$ 928 milhões a mais que o necessário

Levantamento foi feito pela Casa Civil por meio da Comissão de Programação e Controle de Despesa (Codesp)

Por PAULO CAPPELLI

A antiga gestão teria reembolsado as organizações que gerem os hospitais da Prefeitura do Rio com base apenas em notas fiscais mostradas por elas
A antiga gestão teria reembolsado as organizações que gerem os hospitais da Prefeitura do Rio com base apenas em notas fiscais mostradas por elas -

Rio - Um estudo prévio da prefeitura aponta que oito organizações sociais que gerem hospitais podem ter recebido R$ 928 milhões a mais do que o necessário para a prestação dos serviços entre os anos de 2013 e 2016. O levantamento foi feito pela Casa Civil por meio da Comissão de Programação e Controle de Despesa (Codesp).

O valor abrange supostos gastos alegados pelas OSs sem que os mesmos fossem inseridos na plataforma digital elaborada pela Fundação Getúlio Vargas para o controle de despesas na Saúde. A antiga gestão teria reembolsado as OSs com base apenas em notas fiscais mostradas pelas organizações.

Segue

Agora, a prefeitura está em busca de uma justificativa das OSs para os gastos não inseridos no sistema informatizado.

Herança

Com o falecimento do deputado estadual Zé Luis Anchite (PP), ontem, assumirá o mandato o suplente Marcelo Queiroz (PP), ex-secretário de Administração de Eduardo Paes (DEM). A herança vem em boa hora. Como estava sem mandato, Queiroz não receberia nenhum dinheiro do fundo partidário para sua campanha à Assembleia Legislativa. Agora, deputado, receberá R$ 100 mil da cota do PP.

Interesse mútuo

A Coluna revelou que a prefeitura estuda criar uma taxa para quem se hospedar na cidade por meio do 'Airbnb' plataforma na internet que permite alugar imóveis, ou cômodos em imóveis, por temporada. E, ontem mesmo, a empresa Airbnb entrou em contato com a RioTur. Disse que já opera com o esquema de taxas em mais de 340 cidades do mundo e está disposta a colaborar com o município. Seria uma forma de regulamentar o Airbnb no Rio.

De vermelho, não!

O PSL, partido de Jair Bolsonaro, proibiu todos os candidatos da legenda de gravarem com blusa vermelha. Afirma que a cor é associada ao PT de Lula e ao comunismo.

Condenado, mas elegível

Acusado de desvios na Saúde pelo Ministério Público Federal, o pré-candidato ao governo Anthony Garotinho (PRP) foi condenado a perda dos direitos políticos por oito anos, pelo desembargador Ricardo Cardoso, da 15ª Câmara do Tribunal de Justiça. Especialista em direito eleitoral, o advogado Carlos Frota diz que a condenação não impede o ex-governador de concorrer em outubro: "Para que a improbidade administrativa se enquadre na Lei da Ficha Limpa, seria necessário cumulativamente o dolo, o enriquecimento ilícito e o dano ao erário. Ou a condenação com trânsito em julgado (quando não cabe mais recurso)", explica.

Pezão comunica

O governo estadual acaba de celebrar um novo contrato, de um ano, com a FSB para "serviços de consultoria, planejamento estratégico, serviços de assessoria de imprensa e relações públicas". Publicação no Diário Oficial diz que a FSB receberá "por demanda", e não divulga o valor que poderá ser desembolsado.

A política 'une'

Condenado em 2017 a ficar inelegível por oito anos, o ex-prefeito de Mangaratiba Ruy Quintanilha (PV), conhecido como Dr. Ruy, agora apoia o candidato a prefeito Alan Bombeiro (PSDB), até pouco tempo seu arqui-inimigo. Nada como uma eleição.

Comentários