Prefeitura estuda criar taxa para 'Airbnb', hotéis e albergues

A verba entraria no caixa da RioTur com o objetivo de incrementar o turismo na cidade

Por PAULO CAPPELLI

Rio - A Prefeitura do Rio estuda criar uma taxa que terá que ser paga por hóspedes de hotéis, albergues (hostels) e também por clientes do 'Airbnb', plataforma online onde se pode alugar um imóvel, ou um cômodo em um imóvel, em um esquema de aluguel por temporada.

"Os estabelecimentos ou as pessoas que anunciarem via Airbnb, então, vão recolher esse valor e repassar à prefeitura. Seria uma pequena porcentagem calculada com base no valor total da hospedagem", diz Victor Travancas, da Rio Eventos. A verba entraria no caixa da RioTur com o objetivo de incrementar o turismo na cidade. A ideia é analisada pela RioTur, presidida por Marcelo Alves, e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ).

Segue

"O Airbnb arrecada mais do que qualquer hotel no Rio de Janeiro, mas não é tributado em nada. Em vez de brigar com o Airbnb, estamos fazendo do limão uma limonada", diz um advogado da OAB que auxilia o estudo.

Drible

Se o valor fosse cobrado via Imposto Sobre Serviços (ISS), a verba iria diretamente para a Casa Civil da prefeitura. Por meio da nova taxa, o dinheiro poderá ser destinado à RioTur.

Atropelador solto

Lembra-se do motorista que, ao tentar furar uma blitz da Lei Seca na autoestrada Lagoa-Barra, atropelou um policial militar no dia 7? Pois bem, Almir Filho Martins Farias chegou a ser preso em flagrante, mas, ontem, teve o alvará de soltura expedido. A juíza Daniella Prado, da 35ª Vara Criminal, revogou a prisão preventiva. Já o PM atropelado teve a perna amputada e, com isso, viu-se obrigado a mudar do apartamento em que morava, pois o prédio não tinha escada.

Justificativa

Na decisão, a juíza diz não ver indício de que a liberdade do réu "causará risco à harmonia social". A magistrada argumentou que Farias tem residência fixa e é réu primário e que, por isso, pode aguardar o julgamento em liberdade. O acusado está proibido de frequentar bares e casas noturnas.

PSDB muda data

Veja o reflexo dessa teia de aranha em que se transformaram as alianças políticas em meio a dezenas e dezenas de partidos. Prevista inicialmente para amanhã, a convenção que anunciaria quem o PSDB-RJ apoiará ao governo foi adiada. São tantas as legendas para se conversar que os tucanos ainda não bateram o martelo. Aliás: a convenção ficou para a sexta da semana que vem.

Português afiado

A ex-presidente do Chile Michele Bachellet, que lidera petição internacional para que Lula possa disputar a eleição, cantou o hino brasileiro do início ao fim em evento ontem na Fiocruz.

'O Picciani, sem ser'

Dois deputados do MDB se queixam de Max Lemos (MDB), o ex-prefeito de Queimados que, com a saída de Jorge Picciani (MDB) do circuito, assumiu, na prática, o comando do partido no Rio. "O Max não age como se fosse indicado pelo Picciani, ele pensa que é o próprio Picciani. Quer mandar em tudo!", reclama um. "Em vez de tentar fazer 60 mil votos e ajudar três ou quatro colegas de partido, ele prefere ter mais de 100 mil votos e não ajudar ninguém", diz outro.

Comentários