Witzel já escolheu economista se for eleito

Filiado ao PSC, ele foi presidente do BNDES entre junho de 2017 e abril de 2018. E também presidiu o IBGE entre maio de 2016 e maio de 2017

Por PAULO CAPPELLI

Paulo Rabello de Castro já foi presidente do BNDES
Paulo Rabello de Castro já foi presidente do BNDES -

Rio - Candidato ao governo do Rio, Wilson Witzel (PSC) já escolheu quem anunciará como secretário de Fazenda caso vença a eleição: Paulo Rabello de Castro. Filiado ao PSC, o economista foi presidente do BNDES entre junho de 2017 e abril de 2018. E também presidiu o IBGE entre maio de 2016 e maio de 2017. Se Witzel for bem sucedido na corrida ao Palácio Guanabara, só dependerá do próprio Paulo Rabello o "sim" para cuidar das finanças do estado.

Em julho, o PSC chegou a anunciar a candidatura de Paulo Rabello à presidência da República, mas em agosto decidiu abrir mão de um nome próprio e indicou o economista para ser vice na chapa de Álvaro Dias (Podemos).

Pesquisa

O resultado do Ibope que nesta quarta colocou Witzel 20 pontos à frente de Eduardo Paes (DEM) já era esperado pelo ex-prefeito. "Teve pesquisa antes que mostrou 40 pontos de diferença. Estamos conseguindo reduzir", avalia Paes.

Ô louco, meu!

Novo aliado e conselheiro de Witzel, Gutemberg de Paula Fonseca denunciou corrupção na CBF em 2012, mas... voltou atrás oito meses depois. Em janeiro daquele ano, o ex-árbitro de futebol acusou o então presidente da Comissão Nacional de Arbitragem (Conaf), Sérgio Corrêa, de influenciar o apito em favor do Corinthians.

Entrou de sola

Na ocasião, Gutemberg chamou Corrêa de "mentiroso, mariquinha e corrupto". A entrevista foi concedida à rádio Jovem Pan.

Mas aí...

Oito meses depois, Gutemberg desistiu de processo que movia contra a CBF na Justiça e explicou: "Tudo aquilo ficou no passado. Ficou tudo como deveria". Com a desistência, teve que pagar R$ 500 em honorários advocatícios.

Confiança

Gutemberg tem acompanhado Witzel em agendas de campanha e o assessora nos debates. O ex-árbitro de futebol é sócio da empresa de marketing digital 'Yxe', que já fez trabalhos para o clã Bolsonaro.

Um pé em cada canoa

Alguns deputados e prefeitos que atuaram na campanha de Paes no primeiro turno têm procurado Witzel. Dizem ao candidato do PSC que, nesta reta final, não têm pedido votos para o adversário.

Alarmante

Os hospitais do município estão funcionando sem sistema de combate a incêndio desde 2013. Para tentar solucionar o problema, o coordenador de Captação de Recursos da prefeitura, Victor Travancas, está em Brasília atrás de emendas parlamentares carimbadas para a Saúde.

Santo de casa...

Deputados de partidos de oposição ao prefeito Marcelo Crivella como Otavio Leite (PSDB), Alessandro Molon (PSB) e Jandira Feghali (PCdoB) se comprometeram a destinar verba. Já os parlamentares da base, do mesmo PRB de Crivella, até agora, nada.

Mudança nos eleitos

O ex-prefeito de Maricá Washington Quaquá (PT) recebeu mais de 73 mil votos para deputado federal, mas seu direito ao mandato ainda depende de decisão que deverá ser dada esta semana pelo ministro Og Fernandes, do Tribunal Superior Eleitoral. A entrada de Quaquá acaba com a festa de alguém que, hoje, é considerado eleito. Os últimos da lista são Paulo Ramos (PDT - 25 mil votos) e Jean Willys (Psol - 24 mil).

Comentários