Rodrigo Amorim: Flávio Bolsonaro recomenda cautela ao PSL

Legenda estuda candidatura própria à presidência da Alerj

Por PAULO CAPPELLI

Rodrigo Amorim (PSL)
Rodrigo Amorim (PSL) -

Eleito em outubro o deputado estadual mais votado do Rio, Rodrigo Amorim (PSL) diz que seu mentor, Flávio Bolsonaro, recomenda cautela ao partido, que estuda candidatura própria à presidência da Alerj. Bruno Dauaire (PRP), Márcio Pacheco (PSC) ou Tia Ju (PRB) podem receber o apoio do PSL.

O DIA: O apoio do PSL a André Corrêa (DEM), preso na semana passada, foi criticado nas redes.

Quando ele e o André Ceciliano (PT) anteciparam a disputa pela presidência da Assembleia Legislativa por meio da sua Coluna, aquilo foi antes mesmo do segundo turno da eleição ao governo. O André Corrêa tinha uma candidatura que já estava estruturada. Assim como o Ceciliano tem uma candidatura que está estruturada. Como a nossa meta número um é tirar o PT do poder, a candidatura do André Corrêa foi, por exclusão, a que estávamos apoiando. A gente refuta críticas do Psol querendo construir narrativa de que o PSL estaria atrelado ao projeto de alguém que foi preso por corrupção. O Psol sempre esteve a serviço do PMDB na Alerj.

Agora, o PSL vai de candidatura própria?

A maioria da bancada, para não dizer a totalidade, está muito imbuída desse espírito de renovação. No entanto, todos, inclusive eu, somos soldados disciplinados do Flávio Bolsonaro, maior líder político do estado. Ele é um cara muito maduro e cauteloso. E tem recomendado cautela à bancada antes de tomar uma decisão, avaliando os prós e contras da presidência.

Quais os contras?

A gente tem noção da exposição que é a presidência da Alerj. Pode ser muito boa, mas também muito ruim. Até ações que não são de competência pura e simplesmente do presidente acabam caindo na conta da figura maior. A Alerj precisa enfrentar pautas difíceis: reforma administrativa, Reforma Previdenciária, austeridade fiscal. Uma série de medidas que, até certo ponto, podem ser impopulares. Outro fator é que a Alerj, hoje, é uma caixa-preta. Pode ter muita bomba armada ali, casca de banana. Contratos antigos. Mas não nos falta coragem para enfrentar isso.

Prevalecendo a opção por outros nomes, quem são os cotados?

Alguns nomes surgiram. O Bruno Dauaire (PRP), que estava na articulação com o André Corrêa (DEM). Ele se colocou e pode ser um nome. Tem o Márcio Pacheco (PSC), do partido do governador eleito, Wilson, que tem uma relação muito bacana com o PSL. Sob o ponto de vista ideológico, é um cara que coaduna de muitos pensamentos próximos a nós. É um nome que nos deixa satisfeito. Escutei falar também na Tia Ju (PRB). Mas tem um aspecto importante: por mais que seja boa figura, temos que avaliar a que grupo está atrelada. Você acaba turbinando um grupo político. No caso da Tia Ju, o do Marcelo Crivella, o PRB.

Aviso:

Eu, Paulo Cappelli, agradeço a você, leitor, pela companhia, e ao DIA pela oportunidade. A partir desta terça-feira, a Coluna ficará sob responsabilidade do competente Cássio Bruno.

Comentários