Witzel fará programa habitacional para policiais

O objetivo, segundo ele, será atender os agentes de segurança e moradores localizados em áreas de risco

Por CÁSSIO BRUNO

O governador eleito Wilson Witzel
O governador eleito Wilson Witzel -

Rio - O governador do Rio eleito Wilson Witzel (PSC) diz que dará prioridade em sua gestão para a questão da habitação. Por isso, fará um programa especial, ainda a ser definido, sobre o assunto. O objetivo, segundo ele, será atender moradores localizados em áreas de risco e também policiais civis e militares.

"O programa de habitação será objeto de uma pasta própria", afirmou Witzel. Ontem, a Coluna informou que estava sendo articulada uma supersecretaria, englobando Obras, Habitação e Transportes, conforme relataram integrantes da equipe de transição. A ideia não prosperou.

Comunidade Cidade

Witzel está animado com o programa de habitação que pretende implantar no estado quando assumir. Na última quarta-feira, inclusive, ele conversou com diretores do Banco Mundial para debater o assunto. "Estive para iniciar as tratativas para um grande programa e iniciarmos o Comunidade Cidade. Ficaram muito empolgados com a proposta", contou.

Infraestrutura

Atualmente, no governo de Luiz Fernando Pezão, a secretaria de Habitação funciona junto com a de Obras. Na gestão Witzel, porém, o programa de moradia ficará dentro da pasta chamada Infraestrutura. E a de Transportes será incluída dentro da de Mobilidade.

O retorno

Tem vereador insatisfeito com o retorno de Dr. Gilberto (PMN) à Câmara esta semana. Ele estava preso acusado de participar de um esquema de cobrança de propinas no IML de Campo Grande. O tal parlamentar descontente tinha aliados nomeados no gabinete do suplente Ulisses Marins (PMN).

As ondas

O efeito Bolsonaro na Alerj, que elegeu 13 deputados do PSL, fez gente lembrar de outra onda: a de Brizola, em 1982. À época, 24 candidatos do PDT foram eleitos parlamentares.

Previu o futuro?

Gaiato, um leitor da Coluna fotografou um cartaz da campanha do deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PSC) na janela de uma casa na Tijuca. Repare: atrás das grades. O político foi preso na Operação Furna da Onça.

Gastos com papel

Saiu no Diário Oficial. Em plena era digital, a Câmara do Rio contratou uma empresa por R$ 2,6 milhões para imprimir o DO da Casa durante 12 meses. Pagará também R$ 53 mil a outra fornecedora para confeccionar exemplares do estatuto do idoso e das cartilhas de prevenção às drogas, de combate à tuberculose e de direitos do cidadão.

Enquanto isso...

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) determinou que a prefeitura de Angra dos Reis fizesse modificações em num edital para a elaboração da nova base cartográfica da cidade. O valor inicial da concorrência era de R$ 16 milhões. As alterações geraram uma economia de pelo menos R$ 5 milhões ao município.

Comentários