Sem dinheiro, escolas de samba da Série A atrasam fantasias e carros alegóricos

Não há previsão de o prefeito Crivella repassar os recursos dos desfiles de 2019; crise atrapalha venda de ingressos

Por CÁSSIO BRUNO

Alegria da Zona Sul é a agremiação que passa por maior dificuldade -

Rio - Sem previsão de receber a subvenção da Prefeitura do Rio, a maioria das 13 escolas de samba da Série A vive momentos de incerteza. Com a falta de dinheiro, os trabalhos de confecção de fantasias e de criação dos carros alegóricos, por exemplo, estão praticamente parados. Por consequência da crise, os ingressos para os desfiles, na Marquês de Sapucaí, nem começaram a ser vendidos ainda.

Os responsáveis pelo Carnaval contam que o prefeito Marcelo Crivella (PRB), por enquanto, não sinalizou qualquer acordo. Nenhuma escola sabe o quanto receberá. Cada uma do grupo especial ganhará R$ 500 mil. Sabe-se, porém, que para a turma da Série A será bem menos.

Sem alegria

O sofrimento maior é da Alegria da Zona Sul. Despejada do barracão, na Zona Portuária, as alegorias que restaram do último Carnaval estão abandonados num terreno às margens da Avenida Brasil.

Interdição

Já a Acadêmicos de Santa Cruz teve o barracão interditado. Integrantes da escola têm se esforçado para tentar conseguir desfilar.

Com patrocínio

Mas há agremiações da Série A com maior sorte. Caso da Estácio de Sá, que conseguiu patrocinador por causa do enredo "A fé que emerge das águas", sobre a história de devoção do povo panamenho ao Cristo Negro de Portobelo.

Blocos nas ruas

O governador eleito Wilson Witzel (PSC) revogará um decreto de Pezão que liberou blocos de Carnaval da obrigação de ter autorização prévia das Polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros Militar para desfilarem nas ruas.

Segue...

O pedido foi pela nova bancada do PSL, que já encampou um projeto do deputado Flávio Bolsonaro sobre o assunto.

Aliás...

Muitos blocos, valendo-se do decreto de Pezão, desfilaram sem a presença da PM este ano.

Lembra da Locanty?

Após uma série de escândalos de corrupção, a família proprietária da extinta Locanty criou outras empresas de coleta de lixo. Mas até então nunca aparecia formalmente à frente do negócio.

Só que...

Em Rio Claro, porém, a licitação foi vencida pela Atitude Ambiental, cujo um dos sócios é Pedro Jorge Duarte Barreto. Ele é sobrinho de João Alberto Felippo Barreto, o João da Locanty, e filho de Pedro Ernesto Barreto, ex-donos da polêmica empresa.

Educação Rio-MG

Júlia Sant'Anna será a secretária de Educação do governador eleito de Minas Gerais, Romeu Zema (NOVO). Ela é da equipe de Wagner Victer, atual secretário estadual de Educação do Rio. "Apostei e a transformei em subsecretária de Infraestrutura", comemora Victer.

Irritação

Tem gente no PSL que não gostou nem um pouco das nomeações de Witzel para o Esporte (Felipe Bornier) e para Educação (Pedro Fernandes).

Viva os porteiros!

Os prédios da capital continuam a ter moradia para porteiros. O novo Código de Obras acabaria com esse espaço para dar lugar a mais um apartamento. Emenda do vereador Carlo Caiado (DEM) impediu.

Comentários