Ex-cartola do Fluminense deixa Prefeitura do Rio

Pedro Antônio comunicou saída a Marcelo Crivella por mensagem de celular. Milionário, ele implantou novo sistema de cobrança de taxas de licenciamento para aumentar a receita do município

Por CÁSSIO BRUNO

Pedro Antônio, ex-cartola do Fluminense, durante a construção do CT do clube, na Barra
Pedro Antônio, ex-cartola do Fluminense, durante a construção do CT do clube, na Barra -

Ex-vice-presidente de Projetos Especiais do Fluminense, Pedro Antônio, de 66 anos, deixou a Prefeitura do Rio. Milionário, ele implantou, como voluntário, na Secretaria de Urbanismo, um sistema de cobrança de taxas de licenciamento por meio do Documento de Arrecadação Municipal (DARM). Antônio comunicou sua saída ao prefeito Marcelo Crivella (PRB) via WhatsApp.

Na mensagem pelo celular, Pedro Antônio não explica o motivo de ter deixado a Prefeitura. No entanto, ele fez um balanço de seu trabalho para Crivella. A atuação do ex-cartola era, basicamente, para desburocratizar processos e aumentar a receita do município.

Os números

Em 2017, sem o novo sistema implantado pelo ex-cartola do Flu, a arrecadação com os licenciamentos foi de R$ 119 milhões. No ano passado, com a modernização, passou para R$ 298 milhões.

Bancou o CT

Tricolor, Pedro Antônio emprestou dinheiro para a construção do novo Centro de Treinamento do Fluminense, na Barra. Algo perto dos R$ 30 milhões. O local leva o seu nome. O clube ainda lhe deve uns R$ 7 milhões.

Enquanto isso...

As recepcionistas do Centro Administrativo São Sebastião (CASS), sede da Prefeitura, entraram em greve ontem. Não recebem salários desde dezembro.

Mas...

A Prefeitura do Rio publicou ontem, no Diário Oficial, a liberação de R$ 500 mil para cada escola de samba do grupo especial.

Dívida ativa

Já a Embaixadores da Alegria, primeira agremiação voltada para deficientes, foi notificada a devolver aos cofres municipais R$ 93 mil, no prazo de trinta dias, sob pena de inscrição na dívida ativa.

Deixou com o 02

Na reunião estratégica de prevenção a temporais ontem, Crivella saiu na metade. Paulo Messina, da Casa Civil, comandou.

Fator Garotinho

A família Garotinho continua a dar as cartas no governo Wilson Witzel. O deputado federal Wladimir, filho do ex-governador, tenta emplacar na presidência do Instituto de Pesos e Medidas (IPEM) de Campos Juninho Virgílio, primo do vereador cassado Thiago Virgílio.

Segue...

Já para a presidência do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) de Campos, Wladimir quer Frederico Rangel, filho de Jorge Rangel, vereador cassado após Operação Chequinho e secretário de Limpeza Pública de Rosinha.

Tudo em casa

Como a Coluna já revelou, Wladimir, filiado ao PRP, irá para o PSC, partido de Wilson Witzel.

Insatisfação

Um clima tenso marcou a reunião entre Gutemberg Fonseca, secretário estadual de Governança e Relações Institucionais, e moradores sobre as futuras mudanças do programa Segurança Presente.

Aliás...

Como revelou a Coluna no dia 5, o projeto chamará Sociedade Segura.

Homenagem

A Câmara do Rio homenageará Ricardo Boechat. Iniciativa do vereador Carlo Caiado (DEM). O projeto será protocolado na próxima sexta-feira.

Comentários