Cabral está irritado com Régis Fichtner, seu braço-direito e ex-chefe da Casa Civil

Nos bastidores, ex-governador se sentiu traído por entender que amigo deu detalhes de esquema à força-tarefa da Operação Lava Jato

Por CÁSSIO BRUNO

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio e preso na Lava Jato
Sérgio Cabral, ex-governador do Rio e preso na Lava Jato -

O ex-governador Sérgio Cabral (MDB) ainda não perdoou o seu braço-direito Régis Fichtner, ex-chefe da Casa Civil. O ódio de Cabral pelo até então considerado amigo se baseia no fato de, segundo ele, ter sido traído por ocasião de suas respectivas prisões.

Nos bastidores, gente do MDB, aliada da dupla, conta que Régis, muito bem relacionado no mundo do judiciário, cuidou apenas de si, entregando parcialmente Cabral à força-tarefa da Operação Lava Jato. Ao dar detalhes sobre como funcionava o esquema de corrupção, Cabral não poupou, no último depoimento à Justiça Federal, terça-feira, a participação do ex-subordinado na quadrilha.

Bloco da Insônia

Tem muito político sem dormir depois de ter visto Cabral com sua metralhadora giratória. A turma aguarda com ansiedade para saber quais serão os próximos personagens a serem entregues pelo ex-governador.

Aliás...

Não só deputados da Alerj perdem o sono com a assombração de Cabral. Há um pessoal do atual governo ligado a citados na Lava Jato que pode ir para o olho do furacão caso o ex-governador abra mais a boca.

Outra finalidade

Recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza estão sendo utilizados para pagamento de serviços de auditoria do Bilhete Único do Estado.

A execução

O contrato com a empresa Módulo Security Solucions S/A, cuja formulação ocorreu sob a gestão de Carlos Osório, presta serviços à Secretaria de Transporte, além da Polícia Civil e municípios.

Os valores

O contratado, de 1º de março de 2016 a 28 de fevereiro deste ano, é de R$ 3,4 milhões.

Desvio de dinheiro

A auditoria, porém, não surtiu efeito. O sistema de bilhetagem da Riocard, ligada à Fetranspor, foi alvo da Lava Jato.

Troca-troca

José Luis Cardoso Zamith, secretário da Casa Civil e Governança de Wilson Witzel, derrubou toda a diretoria da Imprensa Oficial, que publica os atos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Goela abaixo

O presidente da empresa, José Cláudio Cardoso Ururahy, teve de engolir as mudanças de Zamith. Mas conseguiu manter seus amigos em outros cargos.

Saiu aqui primeiro

A Coluna revelou em 4 de janeiro que Ururahy foi demitido no ano passado quando era da diretoria pelo ex-presidente Francisco Augusto Nobre.

Segue...

À época, Nobre pediu abertura de sindicância para apurar corrupção na Imprensa Oficial. Mas Ururahy negou.

Quem mandou matar?

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) vai desfilar amanhã na Mangueira. O samba-enredo homenageia a vereadora Marielle Franco, assassinada há quase um ano.

Proteção

Ameaçado de morte, Freixo terá esquema de segurança na Sapucaí.

Enquanto isso...

Com seu presidente preso, a escola encerra o desfile com a bandeira do Brasil nas cores verde e rosa.

Comentários