Bancada do MDB na Alerj tem primeiro encontro com governo, mas sem Witzel

Quatro dos cinco deputados do partido foram recebidos pelo chefe de Gabinete, Cleiton Rodrigues, novo articulador político. Os parlamentares pediram "mais investimentos" em suas bases eleitorais

Por CÁSSIO BRUNO

Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado
Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado -

Pela primeira vez, a bancada do MDB na Alerj conseguiu quinta-feira ser recebida, no Palácio Guanabara, após dois meses e meio de governo. Quatro deputados do partido, devastado pela Operação Lava Jato, no entanto, não sentiram nem o cheiro de Wilson Witzel (PSC). Tiveram de se contentar em conversar com o chefe de gabinete, Cleiton Rodrigues, o novo articulador político.

Estavam presentes: Max Lemos, Rosenverg Reis, Marcio Canella e Franciane Motta, esposa do ex-presidente da Alerj Paulo Melo, que está preso. O deputado Márcio Pacheco (PSC), líder do governo, também participou. O único que não apareceu foi o emedebista Gustavo Tutuca.

2020 é logo ali

Para apoiar Witzel na Alerj, os parlamentares do MDB reivindicaram "mais investimentos" nos municípios que compõem as suas bases eleitorais e de aliados que concorrerão às prefeituras ano que vem.

Enquanto isso...

Wizel passou boa parte da quinta-feira com generais do Exército para dar boas vindas ao novo Comando Militar do Leste, onde almoçou.

Saia-justa

Não pegou nada bem dentro do governo a iniciativa de Giniton Lages em divulgar que um dos filhos de Jair Bolsonaro teria namorado a filha de Ronnie Lessa, apontado como autor dos tiros que mataram a vereadora Marielle Franco (Psol).

Segue...

No mesmo dia, Witzel anunciou o afastamento do delegado do caso alegando que o policial faria um intercâmbio na Itália.

Glória a Deus

O deputado Samuel Malafaia (PSD) apresentou projeto de lei complementar para que o governo do estado e a prefeitura não criem... impostos para as igrejas.

Aliás...

Samuel é irmão de Silas Malafaia, dono do conglomerado de templos Vitória em Cristo.

Dia Mundial da Água

O Sindicato dos Trabalhadores da Cedae fará protesto no próximo dia 22, em frente à sede da empresa, contra o presidente Hélio Cabral. Motivo: "contra o desmonte da companhia", diz a nota.

Currículo

Como a Coluna já publicou, Hélio era conselheiro da Samarco quando houve o rompimento da barragem em Mariana, em 2015. Foi denunciado porque o Ministério Público Federal concluiu que ele sabia dos riscos e nada fez.

Outro lado

Presidente Nacional do PSC, Pastor Everaldo diz não ter indicado diretores na Cedae, como saiu aqui ontem. Alega, via assessoria de imprensa, que as nomeações foram de Cabral em conjunto com Witzel.

Mas...

A Coluna mantém a informação.

Pós-Eurico

Um grupo de empresários e economistas vascaínos articula uma candidatura para as eleições do clube, em 2020. O nome: Luiz Roberto Leven Siano, que advogou para ex-jogadores em ações de cobranças por dívidas contra o Vasco.

 

Comentários