Setor elétrico do governo Bolsonaro no Rio terá mudanças

Expectativa é na Eletronuclear, centro das denúncias de corrupção da Lava Jato

Por CÁSSIO BRUNO

Jair Bolsonaro tem conversado sobre mudanças nas estatais
Jair Bolsonaro tem conversado sobre mudanças nas estatais -

As diretorias de estatais do governo Jair Bolsonaro (PSL) estão em alerta. Em breve, haverá mudanças. Alvo da Lava Jato por suspeita de superfaturamento nas obras da Usina Nuclear de Angra 3, a Eletronuclear é a principal delas. Bolsonaro tem conversado com parlamentares e o clima no setor elétrico, no Rio, é tenso. A expectativa é em relação ao presidente da subsidiária da Eletrobras, Leonam dos Santos Guimarães. Citado pelos procuradores da força-tarefa, Leonam foi assessor do almirante Othon Luiz Pinheiro, ex-presidente da Eletronuclear e já condenado a 43 anos de prisão no caso.

Em meio à crise, carta aos funcionários

Após os procuradores da Lava Jato porem a Eletronuclear no centro das denúncias envolvendo o ex-presidente Michel Temer, o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, visitou a subsidiária. Em março, Leonam dos Santos Guimarães distribuiu mensagem para os funcionários. No texto, ele explica o que está sendo feito com o impacto negativo na imagem da estatal na imprensa. "Esse é mais um capítulo de um período difícil pelo qual a Eletronuclear vem passando desde 2015", escreveu Leonam.

Novo presidente de Furnas anunciado

Luiz Carlos Ciocchi será o novo presidente de Furnas, antigo feudo do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB). Ele é engenheiro especializado em gestão e tem passagens por empresas como Ford e pelas Presidências da Empresa Metropolitana de Águas e Energia de São Paulo (Emae) e da Eletropaulo. É uma indicação de Wilson Pinto Júnior, presidente da Eletrobras, e ligado ao PSDB. Hoje, às 14h, Wilson apresentará a nova nomeação ao conselho. No próximo dia 29, sacramenta com os acionistas de Furnas.

Governador dispensa uso de brasão

Wilson Witzel já anunciou que quer ser candidatado à Presidência da República, em 2022. Nas ações de sua administração, tem usado o próprio nome e a logomarca do partido que o elegeu, o PSC, no lugar do brasão do governo do Rio em imagens nas redes sociais. Procurado, o Ministério Público não respondeu.

Mortes podem aumentar

Apesar de ainda não ser oficial, bombeiros e Defesa Civil trabalham com a possibilidade de haver mais nove mortos nos escombros dos prédios na Muzema. Segundo eles, os corpos estão no primeiro piso. A prefeitura, inclusive, já foi avisada.

Crivella tem primeira reunião

O prefeito Marcelo Crivella (PRB) fez ontem a primeira reunião com a equipe que prepara a defesa dele, na Câmara, sobre o processo do impeachment. Pivô do processo, a servidora Maria Elisa Werneck participou do encontro.

Já em clima de campanha

Witzel participou da inauguração ontem de uma Faetec, em Mesquita. Foi prestigiar o seu secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Leonardo Rodrigues, que pretende disputar a prefeitura de lá, em 2020.

A 'nova política' do governo

O deputado estadual João Peixoto (DC) emplacou o irmão no Instituto de Pesos e Medidas (Ipem/RJ). Edimilson do Carmo Peixoto, conhecido como Pelezinho, exercerá função de assistente de logística II.

Cadeira ainda vaga

Anderson Alexandre (Solidariedade) foi solto, mas não assumiu o mandato de deputado por determinação da Justiça. E o prazo para tomar posse se esgotou.

Picadinho

A Alerj continua sem serviço de limpeza. Os funcionários dos próprios gabinetes coletam o lixo e compram os produtos.

O deputado Alexandre Knoploch (PSL) apresenta hoje projeto de lei para dar medalha Tiradentes à Michele Bolsonaro.

O Museu Nacional de Belas Artes oferece o curso 'História da Arte: A paisagem na Arte Brasileira Século XIX'. Começa em 7 de maio.

SOBE

Corpo de Bombeiros

A corporação atua intensamente após desabamentos de prédios na Muzema para encontrar vítimas.

DESCE

Mariana Ribas

Secretária municipal de Cultura permitiu evento no Terreirão, onde jovem morreu. O local tem estrutura precária.

 

 

Comentários