Emperrada, licitação de túneis só teve movimentação após desabamento na Gávea

Sistema Único de Acompanhamento de Protocolo da Prefeitura, ao qual O DIA teve acesso, mostra que processo licitatório teve andamento duas horas depois a queda das vigas. Município alega que movimentação foi burocrática para cancelar licitação

Por Maria Luisa de Melo

Ônibus foi atingido na parte da frente
Ônibus foi atingido na parte da frente -
Um processo licitatório autorizado no dia 2 de abril, para obras de recuperação estrutural em três túneis da cidade, no valor de R$ 98 milhões, estava parado desde o último dia 7, segundo o Sistema Único de Acompanhamento de Protocolo da Prefeitura, ao qual O DIA teve acesso. O processo que culminaria na divulgação de um edital de licitação, só foi movimentado após o o desabamento do Túnel Acústico. As vigas caíram às 12h35 e o sistema indica que o processo desemperrou minutos depois, chegando à subsecretaria de Gestão às 14h21. Às 15h17, foi remetido à Assessoria de Planejamento e Orçamento. Meia horinha depois para a Subsecretaria de Gestão e chegou às mãos do chefe de gabinete da Habitação às 15h59. 
PREFEITURA: MOVIMENTAÇÃO BUROCRÁTICA  
Procurada para explicar a questão, a Prefeitura alegou que as movimentações foram burocráticas. E estão atreladas ao encerramento do processo licitatório. Para tal suspensão, é necessário, no entanto, publicação no Diário Oficial. O que não foi apresentado pela administração municipal.
Com recursos limitados, diz que vai priorizar o investimento em ações de emergência. Como o processo ao qual se refere a licitação dos três túneis (06/000.232/2019) ainda não aparece no no E-compras Rio (site de licitações da Prefeitura), por não ter tido seu processo concluído, não foi possível saber quais seriam os endereços contemplados.
 A POLÊMICA DA VERBA DE GABINETE
Após repercussão negativa da verba de gabinete (através da qual cada deputado estadual terá
R$ 26,8 mil mensais para despesas), alguns integrantes da Mesa Diretora da Alerj abriram fogo contra o deputado Luiz Paulo (PSDB). Ele foi o primeiro a recusar a grana. Alguns dizem que, nas internas, o parlamentar havia concordado. Ele nega: “Fui surpreendido por um ato que estendeu (a verba) para outras atividades. Fiz um ofício dizendo que eu não acatava e critiquei”, disse.
TALÍRIA EXPÕE ATAQUES RACISTAS
NA deputada federal Talíria Petrone (PSOL) divulgou várias mensagens com ataques racistas que vem recebendo. Uma delas ordena que “desçam a porrada nessa vadia de terreiro de Umbanda”. Em outra, um internauta deseja que as milícias a matem, “assim como a rapariga da Marielle Franco”. A vereadora assassinada era amiga de Talíria, que não perdeu tempo: “Vai ter mulher indo pra cima pra enfrentar os coronéis desse Congresso”.
QUEM SERIA ‘BOLDONARO’? 
Depois de a hashtag #ImpeachmentBolsonaro aparecer entre os assuntos mais comentados do Twitter ontem, os apoiadores do presidente reagiram com ‘#BoldonaroNossoPresidente’. Mas o nome com a grafia errada chamou a atenção dos usuários das redes sociais.
A suspeita foi a de ação de robôs. Afinal, todos os milhares de apoiadores errariam a mesma letra? A desconfiança se transformou em deboche: à tarde, internautas usaram a hashtag com erro propositalmente. 
ESGOTO NAS LAGOAS DE NITERÓI 
Denúncias de ambientalistas apontam despejo de resíduos sem tratamento em importantes corpos hídricos do município, que desaguam na Baía de Guanabara e nas lagoas de Piratininga e Itaipu. 
ALERJ VAI APURAR ‘IN LOCO’ 
Acionado pelos denunciantes, o presidente da Comissão de Saneamento Ambiental da Alerj, o deputado Gustavo Schmidt (PSL), visitará amanhã com sua equipe as três lagoas para checar se há crime ambiental. 

Comentários