Deputado do Rio propõe projeto 'Sementinhas do mal' para jovens infratores

Rodrigo Amorim, do PSL, quis trocar nome de programa de deputadas do PSOL para ex-internos do Degase

Por CÁSSIO BRUNO

Emenda do deputado Rodrigo Amorim
Emenda do deputado Rodrigo Amorim -
RIO - O deputado Rodrigo Amorim (PSL), veja só, sugeriu mudar o nome de um projeto de lei das parlamentares Dani Monteiro e Mônica Francisco, ambas do PSOL. Elas propuseram a criação do Programa Estadual de Aprendizagem, que prevê a reserva de vagas de emprego em órgãos públicos a jovens infratores. A Alerj aprovou na última quinta-feira e, agora, irá à sanção do governador Wilson Witzel (PSC). Amorim apresentou 10 emendas. Uma delas institui a nova nomenclatura para “Programa Estadual de Aprendizagem de Jovens, Adolescentes e Sementinhas do Mal”, referindo-se àqueles egressos do Degase.

PRESSÃO DOS PRÓPRIOS DEPUTADOS DO PSL

O projeto de Dani Monteiro e Mônica Francisco teve o apoio do próprio PSL, partido de Rodrigo Amorim, e terá o aval de Witzel. Nos bastidores, deputados da legenda da família Bolsonaro e o Palácio Guanabara não gostaram da atitude de Amorim, que tem o desejo de disputar a Prefeitura do Rio na eleição do ano que vem. Pressionado, o parlamentar voltou atrás e retirou a sugestão.

AMORIM DIZ QUE IDEIA FOI DE RETALIAÇÃO

Rodrigo Amorim negou ter sido pressionado. Disse que retirou a emenda porque conseguiu demonstrar força. “Somos 12 (deputados do PSL). Eles (PSOL) são cinco. Isso é fruto do resultado das urnas”, afirmou. O deputado também ressaltou que sua iniciativa serviu de retaliação, já que o PSOL apresentou emendas a seu projeto de lei que dava prioridade, em barreiras fiscais, a transportes de valores e de medicamentos. “Em seis meses de mandato, nunca apresentei emendas para atrapalhar. Se eu sou contra, uso a tribuna”, justificou.

DEPUTADAS TRABALHARAM COM MARIELLE

Amorim classificou o programa aprovado pela Alerj como “privilégio para vagabundo”. O deputado explicou que o projeto deveria beneficiar “todos os jovens” e “não apenas os que sofreram medidas socioeducativas”. As deputadas Dani Monteiro e Mônica Francisco trabalhavam com a vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL). Amorim ficou conhecido após provocar polêmica ao quebrar uma placa de rua em homenagem à parlamentar.

COM UM PÉ EM CADA CANOA

Dois cartórios do Rio conseguiram liminar na Justiça para que possam aderir ao programa da prefeitura de renegociação de dívidas tributárias. Mas... sem serem obrigados a desistir de ações contra o município relativas a pagamento de ISS.

O PERDÃO DE CRIVELLA

Em junho, a Câmara aprovou projeto de lei do prefeito Marcelo Crivella (PRB) que perdoa dívida de R$ 450 milhões (de um total de R$ 600 milhões) de ISS. O município briga há dez anos na Justiça para receber o tributo.

NOVA ELEIÇÃO NESTA SEGUNDA

O presidente da Câmara de Queimados, Milton Campos (MDB), renunciou. Ele foi alvo de investigação por suspeitas de fraude num concurso público na Câmara. Um dos aprovados tinha diploma falso e, ao ser nomeado, teve o salário dobrado.

DEBILITADO E BARBUDO

Gente ligada a Garotinho diz que ele está deprimido. A família não confirma. O ex-governador se afastou do programa de rádio por motivo de saúde. No Instagram, Rosinha apareceu fazendo a barba do marido.

CASO DE POLÍCIA

A Associação de Organismos de Inspeção Veicular do Rio recebeu, em apenas um dia, nove denúncias de empresas clandestinas instalando kits de gás natural em veículos.

PICADINHO

Hoje, acontece o workshop ‘Evolução Pessoal: teoria, prática e vivências’, das 9h às 16h, em Copacabana. Na Rua Santa Clara, 50.

O São Gonçalo Shopping vai realizar, hoje e amanhã, o 1º Festival de Vinhos e Queijos da região.

As chefs Cynthia Brant e Ines Braconnot são professoras do único curso de formação de Chefs Raw no Brasil, que acontece na NOS Escola.

DESCE

DAVID MIRANDA

MP do Rio pediu quebra de sigilo do deputado federal do PSOL. Ele é investigado por suposta prática de “rachadinha”.

DESCE

MARCINHO BOMBEIRO

Em sessão extraordinária, a Câmara de Belford Roxo afastou o vereador Marcio Pagniez (PSL), presidente da Casa.

Comentários