Guerra no PSL deixa Rodrigo Amorim fora do novo partido de Bolsonaro

O polêmico deputado estadual do Rio é o quarto parlamentar da bancada do PSL fluminense que deve ficar fora do Aliança pelo Brasil. O motivo seria sua proximidade com o governador Wilson Witzel

Por Maria Luisa de Melo

Parte da bancada do PSL, rompida com Amorim
Parte da bancada do PSL, rompida com Amorim -

A cisão do PSL, com a criação do partido Aliança pelo Brasil, está exaltando os ânimos de alguns parlamentares. Hoje, começa a coleta de assinaturas para o nascimento da nova legenda. Mas o PSL continua sendo a maior bancada da Alerj. A Casa, aliás, ficou pequena para a crise do partido. Dizem as más línguas do Palácio Tiradentes que os que ficaram fora da nova sigla pressionaram os colegas da ala bolsonarista a assinar documento autorizando troca da liderança do partido na Alerj. A movimentação aconteceu anteontem quando Alexandre Knoploch levou o advogado Antônio de Rueda, vice-presidente nacional do PSL, como reforço para pressionar os colegas. Mas não colou. O deputado Dr. Serginho foi mantido na liderança, por 8 votos a 4.

PLACAR REVELADOR

Entre os confirmados no Aliança, o comentário é que os quatro excluídos estão desesperados. Procurado, o deputado Dr. Serginho diz que "essa ânsia para mudar a liderança deixa claro quem são os que estão ou não lado da família Bolsonaro". Do outro lado, Knoploch se defende: "Se o Sérgio diz que é Aliança, o que ainda faz na liderança do PSL?". Uma fonte da coluna fala em oportunismo político do grupo de Knoploch: "Quiseram ficar em cima do muro, circulando com o governador, sem abrir mão de cargos no governo. Foram avisados que deviam escolher um lado. Agora já era".

AMORIM ESTÁ FORA

Diante do episódio, que pretendia alçar Rodrigo Amorim a líder do PSL na Alerj, uma fonte da coluna revela que Flavio Bolsonaro bateu o martelo. O Zero Um teria decidido que Amorim não os acompanhará. Procurado, o estadual negou participação na reunião. Diz que conversará com Flavio na próxima semana.

 

NETO DE LULA NÃO CONCORRE EM 2020

Lula e seu neto Thiago Trindade - Reprodução/ Twitter

Após bombar nas redes, o neto de Lula, Thiago Trindade, não deve ser uma das apostas do PT na próxima eleição. Resistente a entrevistas, diz que a decisão é dele próprio. "Ainda não me sinto confortável. Tô me preparando, trabalhando e estudando para quando eu me colocar". Questionado sobre como ajudaria o PT, ele ri. "Ô, Maria, eu não quero responder".

 

CECILIANO E WITZEL JUNTOS...

Não é de hoje que o presidente da Alerj, André Ceciliano, e o governador Wilson Witzel andam bem próximos. Dessa vez, estão de malas prontas para o Peru. Vão assistir ao jogo do Flamengo na final da Libertadores.

...PARA VER O FLAMENGO JOGAR

Witzel levará consigo o vice Cláudio Castro. Na terça, Castro visitou a Alerj para discutir detalhes da viagem com Ceciliano. Mas o grupo garante que a viagem não envolve qualquer verba pública. É convite do clube.

NEGOCIADORES DE FORA.

Hoje, os três snipers do Bope que atuaram no caso do sequestrador do ônibus na ponte Rio-Niterói serão condecorados. A iniciativa foi de Filippe Poubel e Coronel Salema. A dupla só parece ter esquecido que os negociadores da PM também se empenharam na ação.

Comentários