Contra Witzel, PSOL e PSL voltam a se juntar em plenário, mas cedem após acordo

O petista Waldeck Carneiro também entrou no grupo que discutiu a proposta do Executivo de desvinculação dos fundos estaduais, para aumentar o caixa do governo

Por Maria Luisa de Melo

Integrantes do PSL e PSOL em votação na Assembleia
Integrantes do PSL e PSOL em votação na Assembleia -

Unidos para obstruir a pauta de votações sobre a desvinculação dos fundos estaduais proposta pelo governador Wilson Witzel (PSC), integrantes do PSOL e do PSL foram flagrados confabulando juntinhos em plenário. As siglas, sempre antagônicas, acabaram aceitando um acordo, após o líder do governo Márcio Pacheco (PSC) ceder. Houve diminuição da desvinculação do Fundo de Conservação Ambiental para 50% e a dos fundos dos Bombeiros e Polícia Militar para 20%.

O percentual que não for desvinculado terá uso obrigatório, o que antes não acontecia. Ou seja, apesar de o dinheiro ter uma destinação específica, de acordo com a Constituição, não era usado. A partir do ano que vem, o governo terá que empregá-lo. Só de recursos para o Fundo de Conservação Ambiental, estão previstos R$ 700 milhões, metade terá que ser investida em ações, como as de saneamento básico, por exemplo. 

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários