Fiocruz é estratégica para o Rio

Por Sidney Rezende

Nísia Trindade Lima
Nísia Trindade Lima -
A pandemia do coronavírus vai tirar o brilho das comemorações que estavam programadas pela Fiocruz para maio, quando a instituição completará 120 anos de existência. O centro de excelência da pesquisa brasileira está baseado no Rio de Janeiro. E foi construído com muito esforço. Atualmente, a Fundação Oswaldo Cruz é considerada um dos maiores difusores do conhecimento científico e tecnológico do país. Este órgão vinculado ao Ministério da Saúde alcançou a mais destacada posição de ciência e tecnologia em saúde da América Latina. Em entrevista à Agência Fiocruz de Notícias (AFN), a presidente Nísia Trindade Lima disse que todo o corpo funcional da Fiocruz está focado na resposta à crise sanitária, que vai desde a produção de testes ao atendimento aos infectados.
O curioso é que os pesquisadores brasileiros tinham sofrido tantas críticas, 100% injustas, antes do mundo ser varrido pela Covid-29. E, agora, é justamente por suas mãos que se espera a possibilidade de alguma saída que possa amenizar a dor dos infectados. Como consolo, o ministro da Saúde demitido Luiz Henrique Mandetta, ortopedista, e o atual, Nelson Teich, oncologista, reconhecem que a Fiocruz precisa de um tratamento diferenciado.
"O início da instituição foi uma resposta sanitária às epidemias no Rio de Janeiro. Por isso, ela está sendo observada por todos os nossos institutos e unidades, em todos os estados em que a Fiocruz está presente. Cada um buscando somar força junto às secretarias estaduais de saúde para que a gente possa responder a esse desafio", diz Nísia, levando em conta a importância de se investir num sistema eficiente. 

Dinheiro dos bancos para Saúde

O Projeto de Lei 1732/2020, de autoria do vereador Babá, do PSOL, determina a suspensão do pagamento aos bancos da dívida pública e que o dinheiro seja utilizado integralmente nas medidas de saúde e de assistência durante a pandemia. Ele diz que "se nada for feito, de abril a dezembro, a prefeitura terá que desembolsar R$ 573 milhões só de pagamento aos bancos privados, BID e BIRD". 

Não à desestatização

Deputados estaduais chamados "progressistas" lutarão pela não aprovação do PL de desestatização do governador Wilson Witzel. Os parlamentares não aceitam a privatização das universidade públicas. Do mesmo modo, combaterão as despesas com aposentados e pensionistas utilizando o orçamento da Educação, já que se trata de questão de alçada do Rio Previdência. 

Vontade de ajudar

Anderson Gonçalves - Divulgação
Sem contar com a ajuda de políticos "profissionais", o ativista da favela Kelson's, na Maré, Anderson Gonçalves, utilizado-se apenas das redes sociais, levantou doações de cestas básicas já distribuídas aos que residem na favela. "Os moradores estão recolhidos em casa e, através de contatos, tenho buscado ajuda para arrecadar mais alimentos", explica. 

Família polêmica

Não foi só o presidente do PTB, Roberto Jefferson, quem ganhou os holofotes da mídia esta semana. A sua filha, ex-deputada Cristiane Brasil, também causou rebuliço. Ao ser entrevistada pelo empresário Tadeu Vieira, nas redes, a deputada Cristiane acusou o governador de São Paulo, João Doria, de pagar artistas para fazer lives. 

PICADINHO

NorteShopping abriga estações de desinfecção gratuitas para veículos do aplicativo até 30 de abril. Cerca de 2 mil motoristas já passaram por lá.

O Centro Cultural Light completa 26 anos na próxima quarta-feira (29) e trará ao seu público uma série de atividades gratuitas - online.

Em pesquisa da ESPM, durante isolamento social, moradores do Rio dizem sentir falta especialmente do chope gelado, do barulho das ondas e do abraço de amigos e parentes. 

Comentários