Cresce debate sobre racismo na política

Por Sidney Rezende

Martha Rocha e Bandeira de Mello se uniram em mesma chapa
Martha Rocha e Bandeira de Mello se uniram em mesma chapa -
A aliança entre PDT, PSB e REDE para a disputa à Prefeitura do Rio, com os pré-candidatos Martha Rocha e Bandeira de Mello, recebeu críticas de grupos ligados ao movimento negro. Uma nota assinada por quatro deles repudia o que chamam de "chapa ariana" em "uma cidade, onde há tantos negros". Entre os grupos que assinam - Frente Favela Brasil, Nova Frente Negra Brasileira, Alternativa Popular e Unegro -, há filiados do PDT, PT e PCdoB.
"Precisamos informar, aos nossos senhores brancos que não existe nenhuma frente democrática e progressista, não há movimento do Somos 70 porcento, sem a participação da sociedade, sem a participação das comunidades, sem a participação dos pretos e pardos, sem a participação das suas entidades representativas", diz trecho da nota de repúdio. 
A resposta contrária veio imediatamente. "A Rede Sustentabilidade, assim como o PSB e o PDT, tem um consistente histórico ligado às lutas contra o racismo e ao irrestrito apoio a ações afirmativas que as entidades signatárias do manifesto defendem. Seus candidatos, em todas as eleições, inclusive presidenciais, e a composição das chapas de pré candidatos às eleições proporcionais deste ano afastam qualquer suposição de desalinhamento com a luta empreendida pelas organizações que elaboraram o documento. Compreendemos a relevância dos questionamentos, respeitamos, acolhemos as críticas apontadas e já iniciamos o diálogo com as organizações", diz comunicado da Rede.
Leia na íntegra o manifesto dos movimentos negros:
Foi com pesar que tomamos conhecimento do lançamento oficial de uma “chapa única” pelo PDT, PSB e REDE à prefeitura do Rio. E esta tristeza foi a geradora dessa NOTA DE REPÚDIO.

Em 2019, várias entidades – representativas das comunidades cariocas, do povo mais pobre e que mais precisa do poder público, do movimento negro – lançaram o Manifesto da Diversidade Carioca, chamando todos os partidos e forças políticas para uma conversa ampla, no sentido de se criar uma grande frente democrática e progressista, em busca de uma unidade popular no enfrentamento do crescente conservadorismo, cujo epicentro fica no Rio com:

- Um prefeito bispo, branco e racista, perseguidor da nossa cultura;

- Um governador genocida que acredita que “tiro na cabeça” da população pobre é a solução para os problemas sociais, governador este atolado em acusações de corrupção;

- E um presidente autoritário, arrogante e contra tudo que é popular ou negro, que tem demonstrado desprezo pela Constituição, pelos demais Poderes da República, pela Cultura, pela Educação e, mais evidentemente, pelos negros, tendo indicado, por exemplo, uma verdadeira aberração para a presidência da Fundação Palmares.

- Não à toa, há questionamentos na sociedade se esse governador e esse presidente concluem seus mandatos fora da cadeia.

Segundo o Censo de 2010, o Rio de Janeiro é a segunda cidade com mais pretos e pardos no Brasil, eram na ocasião 3 milhões de pessoas. Ficando apenas atrás de São Paulo e na frente de Salvador. Esse povo está cansado de ser massa de manobra e exige ter sua voz.

Apesar de todos os apelos, de todas as conversas realizadas, de todas as reuniões para a criação dessa frente única, a elite branca não admite negros na Casa Grande ou, no máximo, vindos da cozinha para servir o café. E mais uma vez, os brancos, empoderados, de classe média ou ricos, resolveram sozinhos fechar questão na sucessão municipal desse ano. O PDT rasga sua história, do partido que elegeu o primeiro negro senador Abdias do Nascimento, tendo em seu fundador Leonel Brizola uma pessoa de forte sensibilidade social que elegeu Alceu Colares, negro, governador do Rio Grande do Sul e Albuíno Azeredo, negro, governador do Espírito Santo, ambos estados, proporcionalmente, mais brancos do que o Rio de Janeiro.

Eis o retrato da Casa Grande: nove brancos privilegiados reunidos, numa “conference call” virtual para decidir os destinos de uma cidade e sua gente.

Em um momento em que o mundo está vivendo um momento de convulsão antirracista, a elite política carioca sequer nos escuta. Eis, mais uma vez, a evidência de a essência patriarcal branca, do país que foi o último a acabar com a escravidão no planeta, ainda está presente nas direções partidárias, que só vê os negros como massa de manobra. Infelizmente uma prática desses e de todos os outros partidos.

Nenhuma entidade negra foi ouvida. Nenhuma entidade comunitária foi ouvida. O povo fica fora das mesas de negociação política. Lugar de preto é na senzala. Lugar de pobre é morrendo na fila do SUS.

Precisamos informar, aos nossos senhores brancos que não existe nenhuma frente democrática e progressista, não há movimento do Somos 70 porcento, sem a participação da sociedade, sem a participação das comunidades, sem a participação dos pretos e pardos, sem a participação das suas entidades representativas.

Repudiamos veementemente essa chapa ariana à prefeitura de uma cidade, onde há tantos negros, mas que só servem como mão-de-obra barata, como presidiários, como matáveis.

Nós pretos e pardos cariocas, nós moradores de favelas, nós pobres cansamos de não nos ver representados nas negociatas acertadas em gabinetes luxuosos.

E um povo cansado é capaz de muito.

“Não tem órgão oficial, nem governo, nem Liga
nem autoridade que compre essa briga
ninguém sabe a força desse pessoal
melhor é o Poder devolver à esse povo a alegria
senão todo mundo vai sambar no dia
em que o morro descer e não for carnaval.”
Leia na íntegra a resposta do partido Rede Sustentabilidade:
A Rede Sustentabilidade, assim como o PSB e o PDT, tem um consistente histórico ligado às lutas contra o racismo e ao irrestrito apoio a ações afirmativas que as entidades signatárias do manifesto defendem. Seus candidatos, em todas as eleições, inclusive presidenciais, e a composição das chapas de pré-candidatos às eleições proporcionais deste ano afastam qualquer suposição de desalinhamento com a luta empreendida pelas organizações que elaboraram o documento.
Compreendemos a relevância dos questionamentos, respeitamos, acolhemos as críticas apontadas e já iniciamos o diálogo com as organizações.
Ressaltamos que os partidos se uniram em uma frente democrática e progressista para participar das próximas eleições municipais e foram contundentes na importância de ampliar essa plataforma de atuação para outros partidos, organizações e movimentos comprometidos com a redução das desigualdades e uma agenda orientada para um novo ciclo de prosperidade para o Rio de Janeiro.
Nesse sentido, reiteramos a abertura ao diálogo permanente e a importância de convergência em nossas causas comuns.

TRE de olho aberto

Oficialmente, a campanha eleitoral ainda não começou. Mas o TRE está atento a ação de alguns pré-candidatos que estão nas ruas distribuindo brindes em plena pandemia. A novidade deste ano é a distribuição - ilegal - de máscaras, álcool em gel e cesta básica com objetivo eleitoreiro. 

Pedido de explicações

O líder do Novo, deputado Chicão Bulhões, encaminhou ofício à direção da Alerj pedindo explicações sobre denúncia da existência de funcionários fantasmas no setor de Materiais da Assembleia. Ele pede detalhamento das providências tomadas. 

Irregularidades na Saúde

O Ministério Público do Estado do Rio identificou transferências ilícitas de recursos para quitar supostos débitos decorrentes do fornecimento de material cirúrgico ao Hospital Municipal São Francisco Xavier, no período de julho de 2013 a outubro de 2014, sem cobertura contratual e sem prévio empenho. A causa alcança o valor de R$ 491.513,30 (valor do dano ao erário corrigido até esta data, ainda sem incidência de juros), sendo certo que o montante exato a ser ressarcido aos cofres públicos será determinado oportunamente. 

Informática durante a pandemia

Projeto em análise em Brasília pode beneficiar alunos de baixa renda no país durante pandemia. O texto permite que estudantes podem requerer empréstimo de material de informática ocioso na escola onde está matriculado, além da concessão de internet gratuita para acompanhar aulas online, com custos pagos pelo Ministério da Educação. Quando voltar as aulas presenciais, o aluno deverá se comprometer a devolver o material. 

PICADINHO

Pedro Hermeto participa do Lupa Live hoje (25), às 19h, com a diretora executiva da Lupa Comunicação, Luisi Valadão. A pauta é a retomada no setor de Gastronomia do Rio.
MPRJ obtém decisão determinando que município de Nova Iguaçu tenha conta exclusiva para os recursos destinados à educação.

Receita Federal investiga esquema de fraude em restituição em 1.200 declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física, dos exercícios de 2015 a 2019.
Claúdio Frischtak (Inter.B), José Carlos Martins e Carlos Eduardo Lima Jorge (CBIC), Luiz Fernando Santos Reis e Francis Bogossian (AEERJ) debatem as perspectivas para setor da infraestrutura no cenário pós-pandemia. Live será pelo Youtube da AEERJ, hoje (25), às 16h. 

Comentários