Ex-prefeito de Volta Redonda diz que novo governo terá pouco dinheiro

Por Sidney Rezende

O pré-candidato Paulo Baltazar, do PSD, já foi prefeito da cidade
O pré-candidato Paulo Baltazar, do PSD, já foi prefeito da cidade -
O pré-candidato a prefeito de Volta Redonda pelo PSD, Paulo Baltazar, que já foi vereador, prefeito e deputado federal, considera que a experiência política será indispensável para quem pretende governar a cidade. "A experiência para passar pela crise é fundamental. Claro que a gente precisa aprender sempre. Mas no momento de crise, é importante que a experiência de atravessar situações de dificuldade possa ser colocada para poder a gente passar por uma nova crise. Eu fui prefeito de Volta Redonda, por exemplo, na maior crise que a cidade já teve, a da privatização da CSN. E nós conseguimos vencer essa crise. Eu tenho história de superação de crise que vem da minha família. Primeira coisa que meu pai ensinou: fé em Deus e fé na vida. É pela educação que a gente consegue avançar. Lá em casa, apesar de todas as dificuldades, a gente nunca passou fome. A gente teve que superar dificuldades e foi pela educação. A crise para mim não é de ouvir falar. Eu vivi essa questão. Por isso, quando fui prefeito de Volta Redonda, na crise da privatização, a gente aprendeu a escolher prioridades, fazer planejamento, acabar com desperdício, ter cuidado com a cidade. Hoje, eu vejo a crise da Covid-19, que está deixando algumas pessoas desesperadas, desesperançadas, com dificuldades, eu queria dizer o seguinte: passa, vai passar. É preciso de união, juntar as pessoas de bem para poder trabalhar nesta situação. Eu pensava em ficar só como médico, mas acho que posso contribuir, porque a cidade me deu a oportunidade de ter essa experiência. A crise da Covid já é grande e vai ser maior. Nos próximos anos, serão graves", disse.

"A ideia é pegar a experiência minha, da minha equipe e outras equipes, das pessoas de Volta Redonda, que tenham sensibilidade, que querem ajudar. Porque a crise também apresentou um lado positivo, que é a solidariedade que emergiu da sociedade brasileira. E em Volta Redonda também".

Para Baltazar, "a primeira coisa é saber o tamanho do problema. Até os economistas não têm ideia exatamente do tamanho do buraco. A gente precisa saber o tamanho da crise, o quanto vai impactar. Qual a possibilidade de a gente recuperar isso em um, dois, três anos? Para não fazer promessas vãs. Penso que a gente podia chamar a Fundação Getúlio Vargas ou uma universidade federal com competência na área para levantar qual é a situação econômica real, sem mistura política, partidária e ideológica. Qual a situação real de Volta Redonda? Depois, fazer um planejamento estratégico. O que dá para fazer na saúde, educação? Quanto tem uma crise, você precisa priorizar a cidade. O que a cidade precisa garantir? Saúde, educação de qualidade, limpeza urbana. A escola e o posto de saúde são o cartão de visita do governo". 

Pedro Paulo entra com ação contra Crivella 

Marcelo Crivella - Cléber Mendes
O deputado federal protocolou no MP notícia de improbidade e lesão ao erário e de notícia crime por constrangimento ilegal e peculato por servidores. Por conta de um esquema que teria sido criado pela Prefeitura do Rio, com funcionários pagos para fazerem plantões na porta dos hospitais municipais e impedir denúncias em unidades de saúde.

Jorge Roberto Silveira abre o coração

Jorge Roberto Silveira - Divulgação
O ex-prefeito de Niterói Jorge Roberto Silveira marcou a história de sua cidade. Discreto, sem querer interferir na política local, ele rasgou elogios ao pré-candidato Felipe Peixoto. "Idealista, capacitado e com grande potencial: Ele tem meu voto. Tenho admiração também pelo Bruno Lessa", disse. 

Milicianos ligados na missão

Estranha a movimentação de alguns deputados no sentido de reintegração à tropa de 2 mil policiais militares. Emendas foram apresentadas para evitar o avanço de um projeto de lei neste sentido. O argumento é que obrigar a secretaria a reintegrar PMs em massa mina toda a disciplina e organização da corporação. Há ameaça de no meio desses 2 mil haver centenas de milicianos, disse um parlamentar. 

Mais problemas na Saúde

A conselheira do Tribunal de Contas, Andrea Siqueira Martins, mandou a Secretaria de Saúde se manifestar sobre irregularidades encontradas pelo corpo instrutivo do Tribunal de Contas, que encontrou um prejuízo de mais de R$ 100 milhões no contrato da Samu com a OZZ Saúde Eireli. 

PICADINHO

Live "Cultura Surda, literatura, identidades e mídia" será transmitida, hoje (2), 18h, pelo Canal Arte de Toda Gente, no Youtube. Evento, que faz parte do Projeto Um Novo Olhar, de Funarte e UFRJ, tem como participantes professores e artistas surdos e contará com tradução simultânea para o português.
"Rio de Janeiro: Situação e saídas da crise" é assunto da live, hoje (2), 18h, no Facebook do @IERJfluminense. Participam os economistas Mauro Osorio (FND/UFRJ), Marcel Balaciano (IBRE/FGV) e Vagner Laerte Ardeo (IBRE/FGV), com moderação de Paulo Reis. 
Com mais de 170 dias sem aulas por causa da pandemia, pais de alunos do Colégio Pedro II reúnem 2.200 assinaturas, que vão apresentar ao MP e Conselho Tutelar. A opção de ensino remoto não tem sido oferecido aos alunos, segundo os responsáveis.

Comentários