Gabi festeja conquistas, mas mira agora a reta final da Superliga

Ponteira diz que bom momento do Minas é fruto de "muito trabalho e ralação", mas que é hora de se preparar para o momento decisivo do campeonato nacional

Por O Dia

A ponteira Gabi, do time de vôlei Itambé-Minas
A ponteira Gabi, do time de vôlei Itambé-Minas -

Contratada pelo Itambé-Minas após seis anos jogando no Rio, Gabi vem colecionando bons resultados pela equipe mineira: o vice-campeonato mundial de clubes, tendo sido eleita uma das melhores ponteiras da competição, e os títulos da Copa Brasil e do Sul-Americano. A equipe ainda lidera a Superliga. "A gente está em uma temporada muito especial para o Minas. As conquistas e o vice-campeonato mundial trouxeram muita alegria para o clube e para o nosso elenco, mas tudo à base de muito trabalho e ralação. Nada cai do céu. A nossa entrega individual do dia a dia é que nos traz os resultados. Foram títulos importantes, mas entramos agora na fase final da Superliga e é para esse momento que estamos nos preparando. É o campeonato mais importante do Brasil e a gente espera continuar tendo boas atuações", analisa Gabi.

Mineira, a ponteira começou a carreira no Mackenzie e voltou a Belo Horizonte depois de seis temporadas no Rio sob o comando de Bernardinho: "Foi um retorno tranquilo. Sabia que iria encontrar boa estrutura e já conhecia muitas meninas do time. Consegui me adaptar rápido ao estilo de treino do Lavarini (o técnico italiano Stefano Lavarini) e as coisas foram acontecendo positivamente. Voltar a jogar e a morar com a Nati (a ponteira campeã olímpica Natália) também são coisas muito legais. A gente consegue levar a nossa parceria da quadra para casa. Além de ser muito gostoso poder ter a casa da minha mãe pertinho e saber que tenho esse conforto que só a nossa família pode trazer".

Hoje, às 21h30, o Itambé-Minas, que lidera a Superliga, enfrenta o Dentil-Praia Clube, vice-líder, na Arena Minas, em Belo Horizonte. Na temporada 2018/2019, o Minas já venceu o rival no Campeonato Mineiro, na Copa Brasil, no Sul-Americano e no primeiro turno da Superliga. "A gente espera a rivalidade de sempre. Não dá para levar em conta o retrospecto quando se tem Garay, Fabiana, Lloyd, Fawcett & Cia do outro lado. Já virou um clássico não só de Minas como do vôlei nacional. Então não temos outro jeito, além de treinar o máximo possível, tentar marcar o jogo delas e nos prepararmos para um jogo duríssimo", completa Gabi.

Comentários