Proposta que regulariza proteção veicular na Câmara repercute no setor

Proposição, aprovada há duas semanas, prevê que cooperativas e associações sejam submetidas à fiscalização da Susep

Por Herculano Barreto Filho

20/10/2017 - Suite da matéria sobre máfia  que explora estacionamentos rotativos na zona sul com placas e bilhetes falsos e desta forma fatura milhares de reais. Na imagem, veiculo estacionado na rua Santa Clara com os limpadores de parabrisa levantados e bilhete. A prática de levantar os limpadores indica algum código entre os flanelinhas. Foto de Alexandre Brum / Agência O Dia
20/10/2017 - Suite da matéria sobre máfia que explora estacionamentos rotativos na zona sul com placas e bilhetes falsos e desta forma fatura milhares de reais. Na imagem, veiculo estacionado na rua Santa Clara com os limpadores de parabrisa levantados e bilhete. A prática de levantar os limpadores indica algum código entre os flanelinhas. Foto de Alexandre Brum / Agência O Dia -

A aprovação da proposta que regulariza a atuação de cooperativas de proteção veicular repercute no segmento. O texto, aprovado há duas semanas pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, em Brasília, prevê que essas associações paguem impostos como as seguradoras tradicionais e sejam submetidas à fiscalização da Superintendência de Seguros Privados (Susep). As cooperativas também precisarão cumprir as leis de proteção do consumidor. A proposta tramitou em caráter conclusivo. Se não houver solicitação para análise no Plenário da Câmara, a proposta será enviada ao Senado.

Há detalhes que podem determinar a aplicação do texto, diz o deputado Vinicius Carvalho (PRB-SP), relator do projeto de lei 3139/15. "As regras serão as mesmas. Mas com uma ponderação dada ao tamanho da associação e cooperativa, sua área de abrangência e ao número de associados", explicou. O deputado acredita, ainda, que as cooperativas não podem pagar impostos menores e devem ser enquadradas no mesmo regime tributário, para respeitar o princípio constitucional da isonomia tributária.

A Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg) e a FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais) emitiram nota sobre o tema, reforçando a importância da medida. "A regulação das cooperativas de proteção veicular é fundamental conquista para a preservação dos direitos do consumidor e a manutenção da justa concorrência", diz o texto assinado pelas entidades, que também reforçam a importância da participação dos corretores nessas associações e cooperativas.

O assunto, aliás, foi tema da coluna publicada no dia 2 de maio. Em conjunto com a Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) e a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), a CNSeg e a FenSeg elaboraram uma cartilha para explicar os riscos de quem adquire produtos oferecidos por associações e cooperativas. Em síntese, o documento explica que esse modelo de negócios não é fiscalizado. Um cenário que deve mudar caso a atuação dessas entidades seja mesmo regularizada.

REEMBOLSO PELO CELULAR

A Bradesco Saúde criou a função 'reembolso' no seu aplicativo para celular, que já conta com mais de 630 mil usuários. Com a novidade, o segurado também pode receber notificações para acompanhar todo o processo via SMS ou e-mail. O download do aplicativo da Bradesco Saúde pode ser feito na App Store ou Google Play. A solicitação de reembolso também pode ser feita pelos canais de atendimento tradicionais e site.

Comentários