O saxofonista Hector Costita e o guitarrista Joseval Paes fazem show neste sábado, no Beco das Garrafas, em Copacabana - Divulgação
O saxofonista Hector Costita e o guitarrista Joseval Paes fazem show neste sábado, no Beco das Garrafas, em CopacabanaDivulgação
Por O Dia

Rio - Quando chegou ao Rio em 1958, Hector Costita conheceu a bossa nova, que começava. A convite do pianista João Donato e entusiasmado com o novo gênero, o saxofonista decidiu ficar no Brasil. Depois de ter tocado com Astor Piazzolla e Lalo Schifrin, em Buenos Aires, onde nasceu, Hector Costita passou a dedicar-se à música brasileira. Em plena atividade, o artista faz show ao lado do guitarrista Joseval Paes, com quem celebra 25 anos de apresentações em duo. O show será neste sábado, às 22h30, no Beco das Garrafas, em Copacabana.

Hector Costita e Joseval Paes alternam temas da bossa nova com standards do jazz. E mostram, às vezes de forma didática, as relações entre os estilos, com histórias vivenciadas por Costita no Brasil e no exterior e exemplos musicais.

- Uma das coisas que mais me atraíram na bossa nova foi perceber que todos os envolvidos no movimento eram músicos de jazz. Isso me interessou, porque eu já era um jazzista na Argentina, onde comecei na big band de Lalo Schifrin. Durante a turnê no Brasil com Robert Inglez (pianista escocês), em 1958, percebi que algo de muito valioso estava surgindo no país - lembra o saxofonista.

O saxofonista Hector Costita e o guitarrista Joseval Paes fazem show neste sábado, no Beco das Garrafas, em Copacabana - Divulgação

A raiz do samba-jazz

No Beco das Garrafas, em Copacabana, considerado o berço da bossa, Hector Costita foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento da vertente instrumental da bossa nova, que, com base na improvisação musical, ficou conhecida como samba-jazz. O estilo ficou marcado no LP "Você ainda não ouviu nada!", de Sérgio Mendes e Sexteto Bossa Rio.

O disco, com os principais temas de bossa nova em arranjos instrumentais de Tom Jobim e Moacir Santos, foi o segundo da carreira de Sérgio Mendes, que formava o Sexteto Bossa Rio ao lado de Hector Costita, do baterista Edison Machado, dos trombonistas Raul de Souza e Edson Maciel e do contrabaixista Tião Neto.

A gravação foi resultado da temporada no Bottle's Bar, no Beco das Garrafas, em 1963, e é cultuada até hoje por apreciadores de música e instrumentistas de todo o mundo.

Você pode gostar