'Legalize Já' fala sobre o encontro dos fundadores do Planet Hemp

Marcelo D2 participou de todas as etapas do filme, que durou nove anos em sua produção

Por BRUNNA CONDINI | brunna.condini@odia.com.br

Ícaro Silva e Renato Goés vivem Skunk e Marcelo D2 na história que chega hoje aos cinemas
Ícaro Silva e Renato Goés vivem Skunk e Marcelo D2 na história que chega hoje aos cinemas -

Rio - Um filme sobre amizade e a potência de um sonho. 'Legalize Já Amizade Nunca Morre', que estreia nos cinemas hoje, fala essencialmente disso. O longa conta o início da parceria entre Marcelo D2 e Skunk, fundadores da banda Planet Hemp. Na história, Skunk, interpretado por Ícaro Silva, é um artista que sonha em ganhar a vida como músico. Marcelo, vivido por Renato Góes, é camelô e não sabe o potencial que tem como compositor e cantor.

O cantor Marcelo D2 participou de todas as etapas do filme, que durou nove anos em sua produção. Ele também assina o argumento com o diretor Johnny Araújo, e é um dos responsáveis pela trilha sonora.

"O filme não é só sobre maconha. É uma história de amor, de liberdade. Um pé na porta. É reconhecer que você tem o seu espaço no mundo", afirma o rapper. No roteiro, ainda se desenrola um pouco da trajetória do grupo, que conquistou fãs ao usar a música como instrumento de denúncia social. Para Ícaro Silva, o encontro entre Skunk e Marcelo foi um divisor de águas na vida do vocalista do Planet Hemp.

"Fazer esse filme agora, falando do poder do encontro entre jovens e da possibilidade da mudança a partir dele, é genial. Nosso país vive um momento de desencontro. É essencial falar que a vida evolui mais quando a gente junta do que quando separa", diz Ícaro.

A TRAMA

Nas telas, o encontro entre dois jovens que se sustentavam vendendo camisetas e fitas cassete no centro do Rio dá origem a uma das bandas mais populares do Brasil na década de 1990. O filme narra esse momento na vida de Marcelo D2 e Skunk, que deu origem ao Planet Hemp.

Reprimidos por uma sociedade preconceituosa, eles fizeram da música um grito de alerta e de resistência, conquistando toda uma geração. Skunk, cujo nome verdadeiro era Luís Antonio da Silva Machado, morreu em 1994 em decorrência da Aids, sem ver o sucesso do grupo. 'Usuário', o primeiro disco do Planet, saiu em 1995.

"O Skunk foi um anjo na minha vida. Não sei se esse foi o papel dele aqui na Terra, mas ele realmente mudou a minha vida. Me botou em um caminho que eu não acharia sem ele. Me trouxe para a música", finaliza D2, sobre a importância do amigo.

Galeria de Fotos

Pará fez do seu poder de marcação a arma para conquistar a confiança de Dorival Júnior GILVAN DE SOUZA / FLAMENGO
Legalize Já Divulgação
Ícaro Silva e Renato Goés vivem Skunk e Marcelo D2 na história que chega hoje aos cinemas Divulgação
O goleiro Gatito Fernández (E) já voltou aos treinos, assim como Jefferson, livre de lesão Vítor Silva/SSPress/Botafogo
Uma das armas ofensivas da equipe, Everaldo está confiante em duas vitórias LUCAS MERÇON / FLUMINENSE
Erik participa de treino no Nilton Santos Vitor Silva / SS Press / Botafogo

Comentários

Últimas de Diversão