Raphael Logam como o traficante Evandro na série 'Impuros', do canal por assinatura Fox  - Roger Perez Cervantes
Raphael Logam como o traficante Evandro na série 'Impuros', do canal por assinatura Fox Roger Perez Cervantes
Por ESTADÃO CONTEÚDO

Rio - Uma das principais estratégias usadas por traficantes é misturar amido de milho à cocaína, gerando um maior retorno financeiro. É a chamada droga impura, ou misturada. Ainda que este seja um dos elementos abordados na nova série da Fox, 'Impuros', não é pela mistura da cocaína com amido de milho que a produção foi batizada. Seu nome vem das impurezas das próprias relações humanas, sem maniqueísmos, que nunca conseguem ser completamente puras. Não há só bandidos, não há só mocinhos. Tudo, segundo os criadores, pode estar contaminado.

"Não existe apenas o bem ou o mal. Somos todos seres humanos, com suas fraquezas e seus problemas. A história é cíclica e esses opostos acabam sempre se encontrando", diz o escritor e criador do argumento central da série, Alexandre Fraga. "É isso que nós queremos contar com 'Impuros'. Pensamos em toda essa complexidade das pessoas, como isso vai além e como é preciso prestar atenção nessa ausência de mocinhos e bandidos".

A história elaborada por Fraga e dirigida por René Sampaio e Tomás Portella se passa ao redor da vida em uma favela carioca nos anos 1990. O tráfico ali reina. As armas circulam, a cocaína é misturada. E no centro da trama está Evandro do Dendê (Raphael Logam), um jovem que leva uma vida comum até o assassinato de seu irmão por um policial. Sem chão e com uma dívida para honrar, ele decide entrar para o tráfico do morro e buscar vingança pela morte do irmão.

A partir daí, inicia-se uma briga de classes retratada outras vezes no cinema e na TV, tendo o ápice em 'Cidade de Deus', passando pelo sucesso de 'Tropa de Elite' e chegando até a "americanização" em 'Trash'. A diferença aqui, porém, está justamente no foco nas relações humanas, desenvolvidas ao longo dos 10 episódios. Evandro, por exemplo, logo engata um romance complicado com a MC Geisi (Lorena Comparato), que foge completamente dos estereótipos da "mulher da comunidade". O rapaz também precisa lidar com o alcoolismo da mãe após a morte do irmão. Isso sem falar de um policial que possui conexões com o protagonista.

"O principal ponto da série não é a luta entre bandidos e policiais. É o drama humano por trás de cada personagem", afirma o diretor René Sampaio, que dirigiu recentemente o filme 'Faroeste Caboclo'.

Vale ressaltar que a série não é retratada nos anos 1990 apenas por nostalgia barata. Um dos personagens, responsável por toda contabilidade do tráfico no morro, acaba tendo o dinheiro da venda de cocaína retido no banco depois do Plano Collor, que confiscou dinheiro em poupanças em todo o Brasil após medida do então presidente Fernando Collor de Melo. Essa subtrama, que gera uma das histórias mais inusitadas de 'Impuros', foi o ponto de partida de Alexandre Fraga durante a elaboração inicial da história.

"Queria fazer um filme ou uma série sobre guerra às drogas. Logo depois, comecei a pensar no que as pessoas passaram durante o confisco da poupança, o que pode ter acarretado em suas vidas", conta o escritor.

Você pode gostar
Comentários