Vila S. Tereza: 'A situação é crítica, mas vamos superar', diz nova presidenta

Rute Maria admite forte decepção no último Carnaval, analisa gestão anterior e pede apoio da comunidade para próximo ano

Por rafael.arantes

Rio - Um desafio fora do normal. Após o caótico Carnaval da Vila de Santa Tereza em 2013, quando entrou na Sapucaí com grande parte de seus integrantes com fantasias incompletas, a missão da escola é conseguir se reestruturar. Agora sob a administração da presidenta Rute Maria, a agremiação precisa mostrar que o desfile deste ano não representa o que realmente é a escola. Longe da Sapucaí, pois desfilará na Intendente Magalhães, a Santa Tereza vai apostar na força da comunidade para dar a volta por cima e deixar os problemas para trás.

Rute Maria é a nova presidenta da Vila de Santa TerezaDivulgação

Em entrevista ao DIA na Folia, a presidenta Rute não se limitou a falar sobre todas as questões. Ainda se deparando com as consequências do traumático desfile, a mandatária afirmou que o processo atual é de reestruturação e que um de seus grandes objetivos é fazer da atual gestão algo totalmente diferente da antiga, a qual afirma "não ter sido muito transparente".

"Inicialmente eu não cogitava me candidatar, mas o empurrão de tudo isso foi realmente este último desfile. Tudo o que aconteceu gerou um grande impacto. Começamos a ver que se as coisas continuassem do jeito que estavam nossa agremiação ia acabar", avaliou Rute.

Em busca da retomada dos trabalhos e de reconquistar a confiança e a credibilidade, a Vila de Santa Tereza já iniciou seus trabalhos e agora corre contra o tempo para encontrar novas parcerias e anunciar, em breve, o enredo para o Carnaval de 2014.

Confira entrevista:

O DIA NA FOLIA: Como está sendo esta missão de reestruturar a escola?
Rute Maria: Olha, a situação é crítica. Será um trabalho bem árduo, estamos zerados e nos esforçando para começar tudo novamente. Hoje estamos até mesmo sem material, sem nada. Nós vamos trabalhar muito em cima de um geral, já estamos com uma boa programação de eventos e em breve abriremos uma auditoria para pedir prestação de contas do passado. Queremos saber tudo o que foi gasto, saber o que realmente está em aberto. Vai ser difícil colocar o Carnaval na rua, mas vamos correr atrás de todos os modos.

Como as coisas aconteciam na antiga gestão? Era um clima tranquilo?
A administração anterior não era uma coisa muito transparente. Existiam reuniões, fechávamos alguns assuntos e depois tudo aparecia diferente. Estamos tentando fazer as coisas da maneira mais democrática possível, escutando a opinião de todos e no final chegando a um grande consenso. Tudo que entrar e que for gasto estará anotado lá no mural, tudo certinho. Queremos deixar tudo às claras.

Como você se sentiu no momento do desfile deste ano?
Antes de sair da quadra eu sabia que estavam acontecendo algumas coisas erradas, mas não tinha a noção que era uma coisa tão grandiosa como foi. Para falar a verdade, eu nem consegui desfilar. Não tive condições físicas nem psicológicas. Quando vi a bateria reunida e sem fantasia com o meste Dó arrasado fiquei muito triste. Foi uma sensação de impotência, vi tudo indo para o ralo. Não sei explicar, foi uma coisa muito ruim, triste demais. Eu ia no barracão, via tudo acontecendo e, de repente, as coisas estavam naquele estado. Foi uma decepção muito grande.

Trauma na Sapucaí: Integrantes da Vila de Santa Tereza desfilaram sem fantasias completas em 2013Alexandre Brum / Agência O Dia

E qual foi a posição da antiga gestão após o tão polêmico desfile?
O antigo presidente diz que esteve na Sapucaí antes do desfile, mas eu não vi. Se eu afirmar que isso é verdade será uma mentira, pois não estive presente nessa hora. Ninguém conseguia fazer contato com ele depois do Carnaval, nem pelo telefone, nem nada. Existiu uma reunião, muito tempo depois do desfile. Já era início de abril quando houve esse encontro conosco para tentar falar sobre tudo. Ele tentou se explicar, mas para mim, sinceramente, as explicações dele não tiveram valia nenhuma. O Carnaval foi em fevereiro e ele apareceu mais de um mês depois...

E até que ponto o fato ainda atrapalha a agremiação?
Olha, isso atingiu a escola da pior forma possível. Algumas pessoas, as mais próximas, até mesmo da comunidade, se decepcionaram demais. Nossa credibilidade foi para zero. Algumas coisas que a escola havia conseguido já não estão mais tão presentes, as pessoas estão com receio de voltar para cá. Estamos começando todo um namoro novamente, está sendo muito complicado.

Sua diretoria já definiu qual o objetivo principal para o próximo ano?
É um trabalho muito complicado, a situação foi tão assustadora que ficamos até um pouco sem um grande foco. Mas agora temos que buscar a nossa credibilidade novamente. Além dos eventos, estamos correndo atrás de patrocínio. Nossa meta de trabalho é fazer o máximo possível para que as coisas possam dar certos. Pegamos a escola numa condição muito ruim e temos o objetivo de fazer um giro capital para poder alavancar nossa situação novamente. Esperamos também que a comunidade venha para a escola e ajude a gente.

Nova gestão espera apoio da comunidade para dar a volta por cima no CarnavalDivulgação

O que vocês acham mais necessário nesse momento de reconstrução?
Existe uma administração, mas a escola é comunidade. Graças a Deus a nosso povo está voltando à abraçar a gente. Muitos que se afastaram estão retornando e fazendo até parte da nova diretoria. Acho que nossa gente está confiando, todos estão com a maior força de vontade para ajudar colocar o Carnaval na rua. Hoje nosso lema diz representa isso tudo. 'Vila de Santa Tereza é a força de sua comunidade'.

E o que você tem a dizer para toda a comunidade da Vila de Santa Tereza?
Gente, estamos e vamos fazer de tudo para a nossa escola voltar ao lugar que é merecido. É uma agremiação que fará 57 anos em dezembro e muita gente não reconhece isso. Nosso trabalho com a escola é fazer com que ela brigue, fazer o melhor para o conjunto dela. As portas estão abertas para a comunidade, o Vila de Santa Tereza é da comunidade. Espero que vocês venham engrandecer a nossa casa. Queremos fazer tudo da melhor maneira possível.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia