Por rafael.arantes

Rio - É reta final. A Estácio de Sá conta os dias para a hora de seu desfile na Série A do Carnaval deste ano. Faltam oito dias para mais uma apresentação em busca do retorno para o Grupo Especial e o desafio este ano está sendo diferente. A localização do barracão da Vermelha e Branca (na Av. Venezuela) faz o carnavalesco Jack Vasconcelos se esforçar para finalizar a preparação junto aos problemas de trânsito e as complicações trazidas pelas obras da Zona Portuária.

Carnavalesco enfrenta os problemas gerados pelas obras do Porto para preparar a Estácio rumo ao desfileRafael Arantes / Agência O Dia

Mesmo gerando algumas dificuldades para a preparação da Estácio, o Porto Maravilha, no entanto, é o tema da Vermelha e Branca para o Carnaval deste ano. A reta final rumo ao desfile vem gerando uma grande ansiedade da agremiação, que pretende impactar a Sapucaí.

"Nosso barracão é praticamente dentro das obras e a poeira aqui é muito forte. É uma rotina cruel. Deixamos essa parte de decoração para a parte final justamente por isso. Não existe plástico que consiga proteger. Estamos adaptados aqui desde o ano passado, felizes com espaço e tudo mais. O que ficou mais complicado foi em razão do trânsito. É mais difícil para entrega de material e acesso de fornecedores. Mas no geral está tudo certo. Estamos naquele ritmo mais corrido, que é normal. Ansiosos e empolgados por um grande desfile", comentou.

Com o ritmo de preparação já na reta final, a escola está empolgada para contar a história de transformações da Zona Portuária. A agremiação, que desfilará com quatro carros alegóricos e 22 alas, pretende mostrar as modificações do Porto de uma maneira diferente. Jack Vasconcelos afirmou que o vento será o fio condutor de cada mudança desde a fundação do Rio de Janeiro até as obras de revitalização do Porto Maravilha.

Jack Vasconcelos confia em vitória da EstácioRafael Arantes / Agência O Dia

"O nosso enredo fala sobre a Zona Portuária como um todo. Não falamos somente sobre o Porto, ele é o nosso cenário. Vamos falar sobre as transformações que ocorreram nessa área por causa dele. Nosso desfile vai ser levado pelo vento. Vamos usar a força desse vento que sopra do mar para mostrar as transformações desse ambiente.. Vamos falar desde a fundação da cidade, da Baía de Guanabara, até essas obras atuais. Temos um porto natural, toda essa orla que aqui. Queremos passear nessa região a beira-mar e contar essa história. Muitas pessoas esquecem que isso aqui é uma orla. Queremos mostrar esse lado natural", disse Jack, que comentou um pouco da importância dos setores do desfile.

"A gente se prepara para impactar com um todo. Nosso enredo não se repete. A gente passa por cada fase da história do Rio de Janeiro. Cada setor conta um pedaço diferente. Cada um deles, dentro de sua particularidade, tem seu valor para a gente. Então estamos muito felizes e ansiosos para esse desfile. O primeiro setor será sobre o início, a Baía de Guanabara. O segundo mostraremos o Porto Colonial, enquanto no terceiro será a época do Rio republicano, das revoluções e da criação da identidade dos cariocas. Para fechar o desfile teremos a parte sobre a decadência da Praça Mauá e a revitalização do Porto Maravilha. Será uma grande viagem", comentou.

Cotada como uma das favoritas ao título, a Estácio, no entanto, evita trabalhar com essa ideia de uma maneira específica. Segundo o Carnavalesco, a tradição da Vermelha e Branca no Grupo Especial acaba gerando esse status de forma natural, mas o fato não é o responsável pela sua motivação no desenvolvimento do Carnaval.

"As escolas com mais tradição de Grupo Especial acabam herdando isso nesse grupo. Então essa questão de favoritismo acaba sendo natural para a Estácio. Temos uma torcida enorme e muito apaixonada. Eu, como profissional e como artista, me cobro muito além desses fatores externos. Procuro muito evoluir e melhorar e isso é o que realmente me motiva", revelou.

Com o enredo "Um Rio à beira-mar: Ventos do passado em direção ao futuro!", a Estácio de Sá será a sexta escola a desfilar no sábado de Carnaval, dia 1º de março. A Vermelha e Branca busca o tão sonhado retorno para o Grupo Especial, de onde foi rebaixada em 2007.

Jack prepara surpresas para o desfile da Estácio na Série ARafael Arantes / Agência O Dia


Você pode gostar