Lierj estuda mudanças na Série A e reforça sonho pela 'Cidade do Samba II'

Presidente Déo Pessoa diz que regulamento pode ser alterado após o sorteio da ordem dos desfiles; Entidade ainda confia em construção de nova área para barracões: 'Mais que necessário'

Por O Dia

Rio - O Carnaval de 2015 já agita os bastidores da Lierj. Correndo nos preparativos para a festa do sorteio da ordem dos desfiles da Série A - marcada para o dia 31 de maio, na quadra da Viradouro -, a entidade não poupa esforços para acertar os preparativos para mais um ano de desfiles. O objetivo principal é projetar um trabalho ainda mais organizado para o próxima temporada e, para isso, o cronograma da Liga já está totalmente ativo.

Em conversa com o DIA na Folia, o presidente Déo Pessoa revelou que as o regulamento passará por alterações, mas apenas definidas apenas após o evento do fim deste mês. Ajustes nas questões de punições e obrigatoriedades já são algumas das certezas da Liga e o consenso entre as 15 escolas participantes pode definir mais novidades para o terceiro ano de ação do grupo unificado. A expectativa é que apenas uma escola seja rebaixada para o Grupo B no próximo ano, mas o fato ainda não é confirmado pela organização.

Déo admite possíveis mudanças na Série ADiego Mendes / Divulgação

"Vamos efetuar algumas mudanças à nível de regulamento. Alguns ajustes na questão de organização desse grande espetáculo. As mudanças garantidas serão nas partes de punições e obrigatoriedades e todas oficializadas numa plenária em seguida ao sorteio, já que detalhes da própria ordem serão inseridas no regulamento. Sobre o número de escolas que sobem e descem também podemos conversar, mas somente na reunião e com a presença de todos os representantes. Mas de antemão digo que vamos tentar manter o calendário das eliminatórias de samba e antecipar ao máximo algumas outras questões", disse.

Se ajustes para o próximo Carnaval já são pensados pela Lierj, outra coisa que não sai da cabeça da entidade é o projeto da "Cidade do Samba II". O desejo por um novo ambiente de trabalho para as escolas da Série A, que possuem barracões espalhados pela cidade, é o maior objetivo da organização. O presidente ainda relaciona a necessidade desta área para que a as projeções das agremiações do grupo possam ser ainda maiores.

"Da nossa parte tudo continua sendo feito para que isso possa sair do papel. O nosso sonho de consumo é a 'Cidade do Samba II'. Esse novo espaço é mais do que necessário há alguns anos já e com o crescimento da Série A acaba se tornando ainda mais evidente que essa estrutura é fundamental. Queremos dar condições dignas para as escolas e os trabalhadores do Carnaval, mas ainda esperamos uma parceria, não só com o poder público, mas com empresas que possam nos ajudar a realizar esse sonho", analisou Déo, que ainda relembrou as melhorias que a nova área provocaria para toda a cidade.

"Além de engrandecer o espetáculo, esse espaço vai evitar grandes transtornos para muita gente. Sabemos que ter que movimentar alegorias por vários pontos da cidade é algo complicado, que provoca complicações até mesmo no trânsito. Temos certeza que será algo positivo para todo mundo", acrescentou.

Viradouro fez desfile de luxo e conquistou o título da Série A deste ano,Ernesto Carriço / Agência O Dia

Mesmo com a divulgação de possíveis localizações para a construção da nova área, Déo revela que nenhum contato oficial foi feito pela Prefeitura. Locais como a antiga Fábrica de Sabão Português, na Av. Brasil, e um terreno próximo à atual Cidade do Samba já foram cogitadas para a novidade: "As informações que temos são as que acabam sendo vinculadas à imprensa. Tomamos conhecimento da fala do prefeito para determinados veículos, mas oficialmente não houve nenhum contato".

SÉRIE A TEM EVOLUÇÃO FESTEJADA

Com apenas dois anos de existência, a Série A(unificação entre os grupos de acesso A e B) vem deixando a Lierj totalmente satisfeita. O projeto iniciado no Carnaval de 2013 foi aprovado e já faz a entidade mirar novos passos. Agora com 15 escolas integrantes (primeiro ano foi realizado com 19 agremiações), os dois dias de desfile traduzem, de acordo com Déo, o estilo de Carnaval "de raiz", onde as escolas enfrentam grandes dificuldades para levar o desfile para a Sapucaí.

"Identificamos esse segundo ano como positivo novamente. Os resultados desses dois Carnavais continuam numa escala crescente. As escolas fazem trabalhos dignos de estar presente no Sambódromo. Independente das dificuldades de cada uma, nada fica à quem. Sabemos dos problemas estruturais e financeiros, mas este é um verdadeiro espetáculo feito na raça e no amor de quem vive e gosta do Carnaval. Esse é o nosso principal combustível", finalizou.

Últimas de Carnaval