Noturnall: 'O Rock In Rio abriu espaço para a renovação'

Banda de metal que já havia estado no Palco Sunset voltou no Supernova, para novos artistas

Por RICARDO SCHOTT

Noturnall
Noturnall -
Rio - Parceria do Rock In Rio e da Sony Music com a Filtr Live, o Palco Supernova acabou sendo uma enorme surpresa para fãs de artistas novos no Rock In Rio. No evento, o local soma 35 atrações, em 1.050 minutos de música, em um palco projetado em uma área elevada, com vista privilegiada. Após o término dos shows no palco - cujas apresentações terminam por volta de 19h - tem sido comum que os fãs das bandas fiquem por ali conversando e consumindo no bar, e vendo alguns dos shows pelo telão.

No Dia do Metal, nesta sexta-feira, o clima musical também pesou no Supernova, com shows de bandas como Jimmy & The Rats e Noturnall. "É um sonho tocar no Rock In Rio, a gente já havia até tocado no Palco Sunset em 2015, mas sempre é uma realização. A ideia do palco é sensacional, o Rock In Rio abriu o espaço para a renovação", conta o vocalista Thiago Bianchi, que na apresentação anterior da banda no Rock In Rio levou para o palco ninguém menos que sua mãe, a cantora brasileira dos anos 1960 Maria Odete, que cantou com a banda 'Woman In Chains', do Tears For Fears. Os shows da banda sempre são marcados por surpresas, e no Palco Supernova nao foi diferente, já que o Noturnall levou um número de ilusionismo para o palco do festival, além de uma dançarina zumbi. "Nossa ideia era fazer 30 minutos de show para deixar uma marca no maior evento musical do mundo", completa.

No domingo, é a vez da banda Folks, que já tem um disco lançado. "Isso de abrirem espaço para independentes é incrível e deveria acontecer mais. Tem muito artista que é desconhecido e é difícil furar o bloqueio da grande mídia. E o legal é que o Palco Supernova é um grande palco, não é só um cantinho", celebra Kauan Calazans, vocalista da banda.

Comentários