Fala de francês sobre 'candomblé e forças místicas' foi inventada por repórter

Publicação ao 'Le Monde' sobre fracasso de atleta e vitória de Thiago Braz no salto com vara causou revolta nas redes sociais

Por bianca.lobianco

Rio - Depois das declarações polêmicas publicada no 'Le Monde', supostamente dadas por Philippe d'Encausse, treinador do atleta Renaud Lavillenie, onde ele atribuía a vitória do brasileiro Thiago Braz no salto com vara a "forças místicas e do candomblé", o repórter Anthony Hernandez afirmou que a citação referente à religião foi uma frase colocada por ele na matéria.

Lavillenie ficou irritado com torcida brasileira ao perder para Thiago Braz no salto com varaAFP

"Foi uma extrapolação pessoal, um trabalho literário. Nem acho que ele (Philippe d´Encausse) saiba o que é candomblé. Eu me apodrei desta frase dele 'este país é bizarro', de forma que ele não poderia acreditar no resultado surpreente. Dali, isso me deu a ideia, e sobretudo, com o cenário irracional desta final, de fazer referência ao candomblé. Naturalmente, essa é uma exptrapolação pessoal. Em nenhum caso no meu artigo, eu digo que ele faz referência a isso", explica o jornalista. 

Técnico de francês atribui ouro de Thiago Braz a 'forças místicas do candomblé'

Francês se compara a atleta que peitou Hitler e reclama de torcida brasileira

A repercussao sobre a fala do treinador causou revolta nas redes sociais. A polêmica também refoçou a comparação das vaias da torcida brasileira à atitude racista dos alemães nos Jogos Olímpicos de 1936, em Berlim — época em que o país era dominado pelo Nazismo.

Tom crítico em relação à torcida

Durante a disputa, Lavillenie chegou a fazer sinal de negativo com as mãos ao ver como o público estava se comportando e culpou a torcida por não ter alcançado o primeiro lugar."Eu competi diante de muitos, muitos públicos, mas nunca vi uma torcida toda contra mim. Na verdade, contra todos que não eram o brasileiro. Eu me sentia confiante para pular os 6,08 m, mas não conseguia focar por causa do estádio", completou.

À imprensa francesa, logo após a prova, Lavillenie afirmou que espera dar o troco daqui oito anos – a cidade de Paris é candidata a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2024. A decisão será anunciada em 13 de setembro de 2017. “Esperamos receber os Jogos Olímpicos em 2024, e vou devolver a ele na mesma moeda”, resumiu o saltador, de 30 anos.

"Eu acho que cometi um erro. Foram minhas primeiras palavras e eu não me dei conta, não queria comparar a isso. Foi só sentimento que eu tive. Na minha vida toda eu nunca tive um sentimento como esse. Foi provavelmente porque estava muito irritado. Como eu disse antes, quando você treina muito fortemente para a competição da sua vida e tem uma torcida como essa, não é fácil", disse Lavillenie, mantendo o tom contra o público.

Ainda na noite desta segunda-feira, o francês publicou uma foto em sua conta no Instagram. Na mensagem, comemorou o resultado e criticou “a falta total de respeito do público”.

“Dei tudo de mim e não tenho arrependimentos. (Foi) uma incrível disputa. Só estou decepcionado com a falta total de respeito do público - isto não é digno de um estádio olímpico. Mesmo assim, estou feliz com esta medalha”, publicou.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia