Nova ordem econômica mundial pode surgir após pandemia do coronavírus

Quanto mais ampla e profunda for a crise, mais profundas serão as mudanças futuras na vida norte-americana

Por Redação iG

Donald Trump
Donald Trump -
Quando a economia dos EUA reabrir, mais cedo ou mais tarde, é provável que não pareça a mesma de alguns meses atrás antes do surto do coronavírus . E quanto mais ampla e profunda for a pandemia, mais profundas serão as mudanças futuras na vida americana. Já a saída desse rombo econômico profundo parece longa e lenta.

"O mundo em que viveremos, pelo menos nos próximos dois a três anos, será totalmente diferente do que estamos acostumados", disse Sung Won Sohn, presidente da SS Economics e professor da Loyola Marymount University.

"Por causa do choque psicológico que experimentamos, seremos mais cautelosos e, provavelmente, gastaremos menos e economizaremos mais, e teremos menos contatos com outras pessoas", disse ele.

Washington tem enviado estímulos, principalmente gastos em larga escala para atualizar a infraestrutura, que podem ajudar a compensar alguns dos impactos negativos de longo prazo da pandemia, embora isso signifique um grande acréscimo à dívida nacional.

Mesmo assim, milhões de americanos terão dificuldades com renda perdida, dívidas mais pesadas e relutância em gastar o dinheiro porque estão apreensivos com o futuro.

As empresas, especialmente as menores, também enfrentarão novas dívidas e despesas. Para reabrir, elas precisarão gastar dinheiro adiantado para funcionários e suprimentos, sem saber quando ou se os clientes retornarão.

"Todo restaurante que reabre será basicamente uma startup, um conceito interessante, sem dinheiro e desesperado por crédito", disse Sean Kennedy, vice-presidente executivo do National Restaurant Assn.

Sobre as grandes corporações, líderes empresariais e estrategistas dizem que a pandemia acelerará a tendência da dependência das cadeias de suprimentos globais. Isso pode tornar a economia dos EUA mais autossuficiente e trazer para casa alguns empregos, mas também impõe novos custos às empresas e preços mais altos aos consumidores.

Maior produção doméstica significa custos maiores e preços mais altos. Esses, por sua vez, levarão a demandas por salários mais altos, mesmo para os trabalhadores menos qualificados, juntamente com mais conflitos trabalhistas e políticos.

A inflação, insignificante por décadas, poderia retornar , aumentando os problemas das pessoas e do país como um todo.

Em um futuro próximo, a adaptação a novas considerações e diretrizes sobre saúde e segurança, particularmente o distanciamento social , pode ser a tarefa mais perturbadora e urgente para muitas empresas.

Restaurantes, bares, hotéis e locais de entretenimento, como teatros e arenas esportivas, foram os primeiros a fechar, respondendo por muitos dos 22 milhões de trabalhadores demitidos ou dispensados no mês passado nos EUA.

Se a experiência nos estágios iniciais da pandemia for um guia , isso significará grandes variações de como serão as novas políticas.

Em Pequim e em grande parte da China, os restaurantes foram instruídos a manter um pouco mais de um metro e meio de separação entre as mesas. Alguns estão limitando os clientes a três para uma mesa.

Tais estratégias podem reduzir a infecção, mas também significam menos renda para o restaurante. Paul Herber, cuja empresa Ascend Hospitality Group, de Bellevue, Washington, opera 13 restaurantes, não vê respostas fáceis.

Ele está tentando eliminar algumas mesas para abrir espaço entre os clientes, colocando barreiras transparentes entre os estandes e impondo procedimentos de limpeza muito mais rigorosos.

Mesmo assim, Herber se preocupa em como controlar as multidões da lista de espera durante as noites agitadas do fim de semana e o que ele fará se não puder mais ter grupos corporativos que normalmente correspondem a um total de 6 a cada 10 cliente. "Como podemos ganhar dinheiro com esses períodos de pico sendo deficientes?", questiona.

Robert Cole, analista sênior da Phocuswright, uma grande empresa de pesquisa de mercado de hospitalidade, disse: "Acho que isso será uma mudança radical para o setor".

Comentários