Consórcio só deve assumir hospitais de campanha em 30 dias

Temática foi discutida em reunião com o Governo Estadual e Iabas. Hoje, acontece uma visita técnica em três unidades

Por O Dia

290520 - CORONAVIRUS - Rua em péssimoestado de conservacao, e a unica  que dá acesso ao portao principal do Hospital de campanha de Sao Goncalo. Fotos de Estefan Radovicz / Agencia O Dia            CORONAVIRUS,CIDADE,RIO,SAOGONCALO,PANDEMIA,HOSPITAL
290520 - CORONAVIRUS - Rua em péssimoestado de conservacao, e a unica que dá acesso ao portao principal do Hospital de campanha de Sao Goncalo. Fotos de Estefan Radovicz / Agencia O Dia CORONAVIRUS,CIDADE,RIO,SAOGONCALO,PANDEMIA,HOSPITAL -

Aconteceu, ontem, a primeira reunião entre a Secretaria Estadual de Saúde do Rio, a Organização Social (OS) Iabas e representantes do consórcio de hospitais particulares sobre a transferência de gestão das seis unidades de campanha, que ainda estão em construção, para a iniciativa privada. O grupo solicitou uma reunião com a Procuradoria Geral do Estado e com presença do Ministério Público do Estado do Rio para a definição conjunta de um modelo jurídico que assegure a legalidade da transição.

Segundo o Iabas,os representantes da iniciativa privada pediram ainda sete dias para analisar os valores da contratação para então definir o formato de ingresso na operação, adiantando também que mesmo na condição de entidades privadas acreditam não ser possível assumirem os hospitais de campanha antes de pelo menos 30 dias, considerando a complexidade exigida pelo projeto do Governo de Estado.

Foi marcada para hoje uma visita técnica de engenheiros da OS e os empresários nos hospitais de São Gonçalo, Nova Iguaçu e Duque de Caxias. "O Iabas entregou todos os detalhes da operação dos contratos dos hospitais de campanha, dos preços contratados e da infraestrutura instalada", informou a OS, por nota.

Comentários