Álcool e água sanitária podem gerar doenças e danificar impressões digitais? Checamos!

Dermatologista explica os casos e dá dicas

Por Matheus Collaço - iG Saúde

Instituto Federal do Rio de Janeiro produz e distribui álcool em gel para comunidades
Instituto Federal do Rio de Janeiro produz e distribui álcool em gel para comunidades -
Rio - Desde o início da pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), os profissionais de saúde apontam a importância de manter os ambientes limpos para uma maior segurança contra a doença. Além da constante lavagem das mãos, cresceu também o uso de determinados produtos de limpeza, como água sanitária e álcool, tanto líquido quanto em gel, para garantir esta limpeza.
Porém, se a inclusão destes processos na rotina diária auxilia na batalha contra o novo coronavírus, também trazem alguns problemas, uma vez que a maior exposição aos químicos destes produtos pode causar alergias e outros tipos de doenças, principalmente nas mãos. Em alguns casos, a irritação é tão severa que pode até apagar as impressões digitais dos dedos.

“O uso exagerado de água sanitária, detergente, álcool ou algum outro produto químico pode causar um quadro de dermatite, que pode ser de contato alérgico ou por irritante primário. No caso da água sanitária, as pessoas vão ter lesões cutâneas e o tempo de exposição não precisa ser longo para isso acontecer. Se a concentração estiver maior do que a pele da pessoa tolera, em um dia isso já pode acontecer”, explica o dermatologista Cristiano Kakihara.

Segundo ele, outros produtos menos agressivos, como o próprio álcool e o detergente, agem de maneira diferente, causando a dermatite de contato alérgica, que ocorre após a exposição da pele diversas vezes ao produto.
“Quase todo mundo que entra em contato com água sanitária sem luva vai ter algum tipo de irritação. No caso da ponta dos dedos, essa lesão pode ser leve ou mais exuberante, gerando fissuras e até descamações, o que pode apagar temporariamente as impressões digitais. Mas isso não costuma ser definitivo. A maioria das pessoas, se suspenderem o agente causal, com ou sem tratamento medicamentoso, irá recuperar as papilas dérmicas e tudo volta ao normal”, complementa.

Cristiano ressalta que a perda definitiva das digitais é um problema bastante raro e que a maioria das lesões e problemas que podem surgir nas pontas dos dedos se recupera com o tempo. Porém, este mesmo tempo pode acabar se tornando um adversário nessa questão, principalmente se a pessoa tiver algum tipo de condição de saúde, como desnutrição e baixa ingestão de água, ou fizer uso de produtos que afinem a pele, algo que ocorre com cremes antirrugas.

“Com a idade, a pele das mãos e dos dedos pode ficar mais sutil e a pessoa passar a ter mais dificuldade de colher a digital. E por que acontece isso? A pele tem uma espessura que, com o envelhecimento, vai ficando mais fina. Então isso pode dificultar a coleta. Mas é uma coisa rara, não é algo que se veja todos os dias”, complementa Cristiano.

“Resumindo, os produtos podem causar lesões e até danificar as impressões digitais . Porém, este é um problema facilmente contornável com a diminuição do uso destes produtos, o uso de luvas durante o manuseio ou até com um bom creme hidratante. Tudo isso vai auxiliar na recuperação dessas papilas dérmicas”, finaliza.

Comentários