Júlio Lopes é responsabilizado por acidente com seis mortos em Santa Teresa

Secretário de Transportes pode ser obrigado a pagar mais de R$ 6 milhões aos cofres públicos

Por O Dia

Rio - A 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania, do Ministério Público, propôs ação civil pública de improbidade administrativa e ressarcimento aos cofres do estado de R$ 6.312.678,00 contra o secretário Estadual de Transportes, Júlio Lopes, o presidente da Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística, Carlos Eduardo Carneiro Macedo, e a Diretora de Engenharia e Operação da Central, Ana Carolina Vasconcelos. Eles foram responsabilizados pelo acidente com o bonde de Santa Teresa que resultou em seis mortes e 57 feridos, em 27 de agosto de 2011.

Bondinho em Santa Teresa saiu dos trilhos e tombou na Rua Joaquim Murtinho%3A Seis pessoas morreram e 56 ficaram feridasSeguidora %40arenaschinner

Na ação, o promotor Alberto Flores Camargo sustenta que 'tratava-se de tragédia anunciada, pois, ao longo dos anos, o que se verificou foi a paulatina degradação das atividades e equipamentos empregados no serviço de transporte prestado pelo sistema de bondes operado no bairro de Santa Teresa. Tal tragédia poderia e deveria ter sido evitada pelos Requeridos, que nada fizeram', escreveu o promotor. Em nota, a assessoria do secretário informou que desconhece a ação do Ministério Público.

Em maio deste ano, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, assinou a decisão do Ministério Público Federal (MPF) que arquiva a investigação contra o secretário. De acordo com a assessoria do MPF, Gurgel não comentou as razões do arquivamento, pois estava em Maputo à época, capital de Moçambique, para tratar da relação entre os países.

Trilhos do Bondinho de Santa Teresa começam a ser trocadosSeverino Silva / Agência O Dia

Na ocasião da decisão, a Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast) manifestou revolta com a decisão através de sua página na Internet. "Ele (Júlio Lopes) não sabia que o Sistema de Bondes de Santa Teresa estava sendo sucateado...", escreveu, ironicamente, a associação em uma postagem no Facebook.

Bondes devem voltar em junho

Os bondes de Santa Teresa devem voltar a circular a partir de junho do ano que vem. A previsão é do governo estadua. Os trilhos e a rede aérea de eletricidade serão substituídos integralmente em aproximadamente 10 quilômetros.

Também serão reformados a subestação elétrica, a oficina e os postes. Segundo a Secretaria Estadual de Casa Civil, a primeira parte das obras, dos Arcos até a Praça Odylo Costa Neto, será concluída até março. O trajeto entre a praça Odylo Costa Neto e o Dois Irmãos ficará pronto até junho do ano que vem. Já o restabelecimento do caminho até o Silvestre, que estava desativado há anos, será entregue no segundo semestre de 2014.

Na região dos Arcos da Lapa e do Largo da Carioca, já foram retirados os trilhos, dormentes e a rede aérea. Nesta nova fase das obras, que começam nesta segunda, será interditada, durante 120 dias, a Rua Joaquim Murtinho, entre os Arcos da Lapa e a Rua Francisco Muratori. Será fechado ainda o trecho final da Rua Francisco Muratori, entre as ruas Silvio Romero e a Joaquim Murtinho. Outra vias de Santa Teresa sofrerão alterações de sentido.

Na Rua Monte Alegre, o trecho entre Rua do Riachuelo e Rua Paschoal Magno funcionará no regime de mão única no sentido Santa Teresa. A Rua Hermenegildo de Barros, entre a Ladeira de Santa Teresa e a Rua Cândido Mendes, funcionará no regime de mão única, no sentido Glória.

Últimas de Rio De Janeiro