Especialista fala sobre aumento na busca por alimentos saudáveis

Cerca de 14% dos brasileiros se declaram vegetarianos. No Rio de Janeiro o índice é de 16%.

Por O Dia

Média de adeptos em regiões metropolitanas é de 16%, maior que média nacional que é de 14%
Média de adeptos em regiões metropolitanas é de 16%, maior que média nacional que é de 14% -

Rio - O mercado vegano e vegetariano não para de crescer no Brasil. Prova disto é a última pesquisa realizada pelo Ibope, que mostra que 14% da população se declara vegetariana. No Rio de Janeiro e em outras regiões metropolitanas o número gira em torno dos 16%. Em relação a 2012, essa estatística cresceu em 75%, o que representa algo em torno de 30 milhões de brasileiros. Cada vez mais, as pessoas se preocupam em excluir alimentos de origem animal do cardápio, refletindo assim na tendência mundial: uma refeição mais saudável, sustentável e ética. 

De acordo com a nutricionista Luna Azevedo, da Clínica Nutrindo Ideais, é possível ter uma alimentação natural, orgânica e mais limpa, com todos os nutrientes que nosso corpo precisa consumindo alimentos como verduras, frutas, legumes e proteínas vegetais. “Quero que os meus pacientes descasquem mais alimentos e deixem de abrir embalagens dos industrializados que possuem muito sódio, açúcar e gordura”, pontua Luna. 

De acordo com o levantamento, mais da metade dos entrevistados declararam que consumiriam mais produtos veganos se estivessem com um preço mais acessível e se as embalagens fossem mais claras. Recentemente, aconteceu a maior feira de alimentos orgânicos e naturais da América Latina, a Bio Brazil Fair, onde foram lançados mais de 1500 produtos orgânicos, veganos, vegetarianos, suplementação natural, entre outros. Segundo os organizadores, esse mercado movimenta 3 bilhões de reais por ano, com um crescimento de 20% anualmente e está entre os setores que mais crescem no Brasil.

“Esse estilo de vida mostra que uma alimentação limpa e baseada em proteínas vegetais pode mudar o planeta e seu futuro, pensando exatamente na sustentabilidade como um tudo, onde preservar é a melhor forma de cuidar e manter um legado para as próximas gerações”, finaliza Luna.

Últimas de Vida Saudável