Automania

Teste: por onde passa, o Camaro SS conversível é o centro das atenções

Muscle car da Chevrolet é pura potência e agrada pelo novo câmbio automático de 10 marchas

Por Lucas Cardoso

Rio - Em uma rua próxima aos Arcos da Lapa, a criança cutuca sua mãe para chamar a atenção dela. A mulher olha para o menino, que aponta para o carro azul. A apenas cinco metros dali, um casal interrompe uma discussão para olhar o mesmo veículo. É fato que um Camaro SS Conversível não passaria despercebido em lugar algum e foi isso que percebemos durante três dias e pouco mais de 150 quilômetros percorridos.

E ele tem causado essas reações desde sua chegada oficialmente por aqui, em 2010 — mesma época em que o primeiro filme da franquia 'Transformers' explodiu nos cinemas de todo o mundo. De lá para cá, o modelo da Chevrolet reinou soberano no seu exclusivo segmento. A quebra nessa hegemonia aconteceu no último ano, quando o modelo perdeu espaço para o Mustang.

Mas a Chevrolet agiu rápido para reverter essa situação, e o Camaro mudou já na linha 2019. Apresentada ao público brasileiro durante o Salão do Automóvel do ano passado, a releitura da 6ª geração do esportivo americano chamou a atenção de todos por sua nova identidade, principalmente na dianteira, que ganhou uma grade mais ousada e para-choques com mais elementos em black piano. Além disso, a logo da marca passou a ter design vazado. Segundo a montadora, a mudança não foi apenas pela estética, mas também contribuiu para uma melhor refrigeração do potente motor V8.

Lucas Cardoso
Capota pode ser aberta ou fechada em velocidades de até 50 km/h - Lucas Cardoso

Para deixar o 'muscle car' ainda mais poderoso no rodar, a empresa também fez alterações estruturais e adotou uma nova transmissão automática, que passou a ser o mesmo sistema com 10 marchas do concorrente. Escolha acertada por parte da GM.

Mas nem tudo agradou ao público do modelo. Voltando a falar sobre o visual. A dianteira atualizada, por exemplo, dividiu opiniões. Com pegada mais agressiva graças à uma enorme entrada de ar em preto, além de novos faróis, com assinaturas de LED mais provocantes, e lanternas de formato arredondado, o modelo parece ter mudado demais para alguns consumidores mais puristas.

Ao volante

Se as novas linhas provocaram reclamações, o conjunto mecânico é só elogios. Durante três dias, o DIA rodou por pouco mais de 150 km com o 'muscle car' na versão conversível SS, que custa salgados R$ 365 mil. Nesse período, bastou girar a chave para perceber a potência V8 6.2 litros. Como notas musicais, o giro sobe a medida que o modelo desperta, fazendo-o dar um breve, mas bem alto, ronco. O som rouco chama atenção, então não aconselhamos o modelo caso seu vizinho seja do tipo que tem sono leve. 

Lucas Cardoso
Motor V8 do Camaro é capaz de gerar 461 cavalos e 62,9 quilos de torque - Lucas Cardoso

Na rua, a combinação de tração traseira, 460 cavalos e 62,9 quilos de torque é explosiva. Com auxílio da nova transmissão, as rodas recebem toda a força logo que o acelerador é acionado. O medidor de força G no painel digital em TFT mostra o tamanho do golpe que o carro dá ao sair. Afundar o pé, por exemplo, gera a uma sensação similar a um soco no estômago. E não tem como fugir disso já que o Camaro parece pedir velocidade. Com um 0 a 100 km/h realizado em pouco mais de 4 segundos, a única tarefa difícil é pegar o trânsito das ruas do Centro sem ser abordado por alguém impressionado com o esportivo.

Segundo a Chevrolet, a plataforma do Camaro 2019 foi incrementada com aços mais resistentes para ter mais mais rigidez torcional. Tudo para deixá-lo mais na mão do motorista. E foi isso que comprovamos durante a avaliação. Ou seja, nada de traseira bobeando com facilidade. As mudanças estruturais do modelo melhoram a experiência ao volante. Vale destacar as rodas de alumínio pretas de cinco raios e aro de 20 polegadas e os freios a disco.

Lucas Cardoso
Painel em TFT ao centro, multimídia, volante multifuncional e saídas de ar em formato de turbina são destaques - Lucas Cardoso

Por ser um carro baixo, o Camaro sofre um pouco com os buracos comuns no nosso asfalto. O isolamento acústico com a capota abaixada não é dos melhores, mas reduz minimamente o vazamento de som externo para o interior da cabine.

Por falar em interior, o bólido conta com painel em TFT, posicionado ao centro de dois mostradores analógicos, central multimídia de oito polegada com navegador GPS integrado. As soleiras das portas iluminadas dão um charme a mais para o 'muscle car'. A criança da Lapa não viu esse detalhe, mas certamente teria ficado mais fascinada se tivesse visto.

Ficha técnica:

Motor: V8 6.2 de 16v, movido a gasolina

Potência: 461 cavalos a 6.000 rpm

Torque: 62,9 quilos de torque a 4.400 rpm

Transmissão: Automático, dez marchas e tração traseira

Suspensão: Independente do tipo McPherson (dianteira) e independente (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros e traseiros)

Pneus: 245/40 R20 (dianteiros) e 275/35 R20 (traseiros)

Dimensões: Comprimento (4,78 m), largura (1,89 m), altura (1,34 m), entre-eixos (2,81 m), 72 litros (tanque), 208 litros (porta-malas) 

Consumo gasolina: 5,6 km/l (cidade) / 8 km/l (estrada)

Zero a 100 km/h: 4,2 segundos

Velocidade máxima: 290 km/h