PDT decide em dois meses se expulsa Tabata Amaral

Em entrevista à coluna, o presidente do PDT diz como tentou demover os deputados rebeldes que votaram a favor da Reforma da Previdência

Por Chico Alves

Tabata Amaral
Tabata Amaral -

O presidente nacional do Partido Democrático Trabalhista, Carlos Lupi, assistiu desolado a atitude de oito deputados da sua legenda que votaram a favor da Reforma da Previdência no plenário da Câmara. Cinco meses antes, a Convenção Nacional pedetista fechou questão contra o projeto de mudança nas aposentadorias. Entre os que desobedeceram, teve maior repercussão o voto de Tabata Amaral (PDT-SP), algo proporcional ao sucesso que a parlamentar fez em seus primeiros seis meses de mandato. Tida como estrela no Congresso por enquadrar dois ministros da Educação, antes cotada para ser candidata do partido à Prefeitura de São Paulo, ela tentou justificar em vídeo a desobediência, mas corre o risco de ser expulsa. "Quando as pessoas acham que elas são mais fortes que as instituições, tem alguma coisa errada", critica Lupi. Ele explica nessa entrevista a BASE o que vai acontecer aos desobedientes do PDT:


BASE - Como o partido vai encaminhar a questão da Tabata Amaral e dos outros sete deputados que desobedeceram o partido?

Carlos Lupi - Nós temos um processo regulamentado pelo estatuto. Na semana que vem abrimos o processo disciplinar através da Comissão de Ética do partido, que vai ouvir cada um dos deputados com a sua justificativa. Depois, a comissão apresenta para a Executiva Nacional o tipo de avaliação, punição ou não, que eles sugerem para os deputados. Então, o Diretório Nacional é convocado para uma decisão. É esse o trâmite, que deve levar de um mês e meio a dois meses para ser resolvido.


BASE - O sr. tentou fazê-los mudar de ideia?

Lupi - Tentei de várias maneiras, falei com um a um. Há convicções pessoais, a meu ver equivocadas, porque essa reforma é contra os pequenos, 80% do sacrifício é de quem ganha até três salários mínimos. Eles vão ter perda de 20% em média do seu salário, já que a média da aposentadoria vai ser para os 35 anos de contribuição, não mais dos últimos 60 meses, aumenta o tempo de idade. Viúva ou viúvo vão receber em média 30% a menos de pensão do que recebia antes. Todo esse processo apresentado não corta nenhum privilégio. Foi um equívoco dos companheiros. Algo grave, porque tem uma deliberação da convenção nacional desde 18 de março. Fizemos pelo menos quatro reuniões com todos os deputados sobre o assunto. Todos tinham a mesma posição até à véspera da votação, quando me procuraram.



BASE - Como sr. vê o caso de Tabata Amaral, que se destacou nesses seis meses de Congresso?

Lupi - Muitos quiseram usar a deputada, que está no seu primeiro mandato, tem 25 anos. Não vejo má fé por parte da Tabata. Vejo inexperiência e falta de maturidade para entender o processo. Então, fazer ela de Cristo ou de vítima, para colocar o partido como algoz... eu estou velho para isso, entendeu? Nessa eu não caio.



BASE - O sr. cogitava inclusive lançar o nome dela para concorrer pelo PDT à Prefeitura de São Paulo. Uma expulsão seria uma grande perda.

Lupi - Claro que o partido em São Paulo vai reavaliar tudo isso. Tem um impacto, a pessoa faz uma opção. Todo mundo fala em democracia, aí você tem uma convenção nacional, com 550 membros presentes, inclusive ela, se posicionando pelo fechamento de questão (contra a reforma), depois ela muda.... E fica por isso mesmo? Então, para que existe o partido? Já estamos tão desmoralizados, se isso passar em branco, se não acontecer nada, aí é muito ruim. A história do trabalhismo é a história da defesa dos mais fracos. se na hora que os mais fracos precisam da gente a gente vota contrário e favorece aos poderosos, como vai ser?



BASE - Tabata costuma dizer que veio da periferia e que por isso conhece bem as necessidades dos mais pobres. O que o sr. acha desse argumento?

Lupi - Não conhece mais do que eu. Minha origem é tão ou mais humilde que a dela. Só que meus vínculos são da profundidade que o trabalhismo me deu. Estou no PDT há quase 40 anos. O partido, a instituição, é mais forte que as pessoas. Quando as pessoas acham que elas são mais fortes que as instituições, tem alguma coisa errada. As instituições são perenes, as pessoas são passageiras. Quando o Brizola morreu, o PDT tinha oito deputados federais e todo mundo achou que com isso acabava o PDT. Já se passaram 15 anos, o partido não acabou e temos 28 deputados. Ou seja: as ideias são maiores do que as pessoas.



BASE - Qual a última vez em que o sr. falou com ela para tentar mudar o voto?

Lupi - Falei com ela anteontem, antes da votação. Nós tivemos duas reuniões, fizemos um apelo, imploramos, fiz de tudo, mas não adiantou. Ela disse que ia manter o voto. Agora, as possibilidades são a advertência, a suspensão e a expulsão. Hoje, alguns desafiam para ser expulsos por causa do parecer no Supremo que diz que, quando o deputado sofre expulsão, o partido não pode pedir o mandato de volta. Tudo isso vamos pesar, porque ninguém aqui é bobo.



BASE - Qual o prejuízo para o PDT se perder alguém de tanto destaque quanto a deputada Tabata?

Lupi - Nunca é bom. Mas se pegar a história vai ver que perdemos o governador do Paraná, Jayme Lerner, o governador do do Mato Grosso do Sul, Dante de Oliveira, do governador do Rio, Garotinho. Perdemos na outra legislatura quatro dos seis senadores. E aí? Estamos aqui. As pessoas estão equivocadas ao pensar que um partido que tem uma história como a nossa vai diminuir quando sai alguém. Cristovam (Buarque) foi nosso candidato à presidente, saiu do partido, disputou a eleição ao Senado e perdeu. Quem perdeu? Ele ou o partido? Já apanhamos muito, quando a chuva vem o coro já está grosso.

Comentários