Sônia Bridi relança livro em que conta detalhes sobre a época em que foi correspondente da Globo na China

'O país saltou anos na história', diz jornalista

Por O Dia

Sonia Bridi na China gravando Fantástico
Sonia Bridi na China gravando Fantástico -

Rio - Sônia Bridi, repórter especial do ‘Fantástico’, acumulou ao lado do repórter cinematográfico e marido, Paulo Zero, muita estrada e boas vivências como correspondente internacional. Algumas delas estão em ‘Laowai — Histórias de Uma Repórter Brasileira na China’ (Ed. Matrix, 392 págs, R$ 64), obra que acaba de ser reeditada e traz os bastidores do seu trabalho e o relato das experiências em um país completamente desconhecido. “São 23 anos desde que fui correspondente pela primeira vez. Desses, passei 11 no exterior. Paulo passou mais de 30. Nesta edição, atualizei alguns números do desenvolvimento da China e as coisas que mudaram radicalmente desde que o livro foi publicado em 2008. Também dou notícias sobre o que aconteceu com as pessoas com quem convivi e que fazem parte da história”, detalha a autora, que explica que ‘Laowai’ é um tratamento informal para estrangeiro.

DETALHES DO PAÍS  

Em 2005, Sônia embarcou para a China, acompanhada do marido e do fi lho Pedro, com 3 anos na época, com a missão de montar uma base da Globo no Oriente. Três anos depois, ela lançou a obra, que na versão reeditada ganha um epílogo com muitas das suas impressões ao voltar ao país para gravar a série ‘A Jornada da Vida’, do ‘Fantástico’.

“Estive na China em 2007, cobri as Olimpíadas de Pequim em 2008, gravei lá duas outras reportagens em 2010 e 2012. Mas esta viagem foi o maior choque. Seis anos se passaram e a velocidade das mudanças parece ter se acumulado, partindo de uma base econômica cada vez maior”, diz.

“A China saltou anos na história. Tirou mais de 700 milhões de pessoas da miséria em 40 anos. Hoje, tem uma infraestrutura instalada de primeiro mundo. Ao mesmo tempo, o governo de Xi Jinping retrocedeu enormemente na questão dos direitos individuais, na redemocratização, na liberdade de imprensa. Ao mesmo tempo, vi uma geração que cresceu com boa educação e algum acesso à informação, que não me parece disposta a seguir um imperador. Vai ser interessante ver o desenrolar dessa história”, completa.

VIDA SIMPLES

Aos 55 anos, a catarinense de Caçador atuou como correspondente em Londres (1995), Nova York (de 1996 a 1999), Pequim (entre 2005 e 2006) e Paris (2008 a 2010), e desde 2009 fi xou residência no Rio, ao lado do marido. “Foi quando encerramos nosso período na França. Mas desde então fazemos uma grande série internacional por ano, o que deixa nas pessoas a impressão de que ainda estamos fora”, observa. “Adoro esse arranjo: estamos perto dos fi lhos e netos, dos irmãos e mães, e ao mesmo tempo, continuamos cobrindo assuntos interessantes fora do Brasil”. Mãe de Mariana, 34 anos, e Pedro, 17, ela já é avó de Aurora, 4 anos, e Valentim de 6 meses, da união da fi lha com o ator Rafael Cardoso. “Aurora é uma luz imensa na minha vida. Somos muito coladas. Minha companheirona. Timtim é um bebezão alegre, simpático”, derrete-se a jornalista, casada há 22 anos.

Sônia revela que o fato de o casal passar muito tempo junto dentro e fora de casa só tem trazido ganhos. “Paulo é muito bom no que faz. É um prazer pegar o material bruto e assistir. Não se joga fora um take sequer. E no nosso ritmo de trabalho é 8 ou 80. Se não trabalhássemos juntos, nunca nos veríamos”, diverte-se. “Nos conhecemos quando fui ser correspondente em Nova York, e ele já estava lá há 20 anos. A gente se gosta muito, se respeita profi ssionalmente e pessoalmente. Nem ele nem eu somos pessoas que guardam rancor ou ficam de mal. Temos inúmeros interesses em comum, isso ajuda também”, ensina.

Apesar de ter ganho o mundo com seu trabalho, a jornalista leva uma vida simples e com preocupações socioambientais, que vão além das suas reportagens. Ela e Paulo moram em uma casa sustentável. “Ficou pronta em 2013.

Produzimos nossa energia, coletamos água da chuva e usamos para as descargas de banheiro, limpeza e irrigação, aquecemos água do banho com solar, compostamos lixo orgânico”, conta. “É bom para o meio ambiente e é ótimo para o bolso. Em cinco anos, o sistema de energia se pagou, e terei energia de graça por mais 20 anos. É pague cinco, leve 25. E minha conta de água mês passado foi de R$ 98”.

Galeria de Fotos

Sonia Bridi na China gravando Fantástico Divulgação
Sonia Bridi na China gravando Fantástico Divulgação
Sonia Bridi na China gravando Fantástico Divulgação
Capa do livro Sonia Bridi Divulgação
Sonia Bridi Divulgação
Sonia Bridi Divulgação
Sonia Bridi Divulgação
Sonia Bridi Divulgação

Últimas de DMulher