Aventuras Maternas: O dilema do filho preferido

Tema é recorrente na psiquiatria: em cerca de 70% das famílias com mais de um filho, existe a preferência por um deles

Por O Dia

Carla Espino e as filhas Giulia, 24 anos, e Valentina, 12: sem preferência.
Carla Espino e as filhas Giulia, 24 anos, e Valentina, 12: sem preferência. -

Rio - Existe um tema tabu que mães com mais de um filho dificilmente conseguem debater publicamente: a predileção por um deles. Motivo de sofrimento para muitas, o fato de haver maior identificação com um ou outro não significa, na maioria das vezes, que haja mais amor. Quem diz isso é a psicóloga Néia Martins, que recebe em seu consultório muitos pais com dificuldades em lidar com esse sentimento. "Embora seja um conflito para os responsáveis, isso é natural e humano. Uma mãe falante e extrovertida, por exemplo, terá maior empatia com o filho que é parecido com ela do que com o que tem personalidade mais tímida, introvertida ou discreta, simplesmente porque há um interesse em comum, e não mais amor", explica ela, lembrando também o chamado favoritismo temporário, que seria a predileção que se manifesta em determinadas ocasiões por um filho e em outras pelo outro.

Carla Espino, mãe da Valentina, 12, e Giulia Marquezini, 24, diz que, apesar de não acreditar em preferência, entende que pode existir mais afinidade com um ou outro. "As pessoas confundem identificação com amor, mas isso não é verdade. Cada filho desafia de forma diferente, e talvez o que muitos vejam como predileção seja apenas uma maior ou menor facilidade em lidar com aquela criança". Já Adele Grandis, mãe de Serena, 7, e Pax, de apenas 11 meses, conta que a relação com a filha sempre fluiu muito bem, mas quando o mais novo nasceu, talvez em decorrência da depressão pós-parto, não conseguia sentir pelo menino o mesmo que pela mais velha. "Por ela, foi um amor incondicional à primeira vista, como se já a conhecesse. Já com ele não foi imediato. Acho que a relação com os filhos, assim como qualquer outra, se constrói com o tempo. Com quem houver mais empatia, será mais rápido para criar laços; com o oposto, pode demorar mais. Hoje, posso afirmar que amo os dois da mesma forma".

Na psiquiatria, o assunto também é recorrente — em aproximadamente 70% das famílias com mais de um filho, existe a preferência por um deles, embora frequentemente os pais não assumam. Marcelo Daudt von der Heyde, psiquiatra e professor da PUC do Paraná, esclarece que pode acontecer por vários motivos, mas, em linhas gerais, filhos caçulas e meninas têm uma maior tendência a serem os preferidos. Além disso, algumas características de temperamento, personalidade e valores semelhantes ou diferentes aos que os pais julguem como um bom modelo também são fatores que motivam maior ou menor afinidade.

O também psiquiatra Mario Louzã acredita ainda ser um mito achar que alguém com dois ou mais filhos terá o mesmo relacionamento e/ou a mesma empatia por todos, de forma absolutamente igual. "Cada um tem características, temperamento e personalidade diferentes. Isso não significa que os pais tenham mais amor por um determinado filho", diz.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários