Cavani brilha na vitória sobre o Chile e garante a liderança do grupo para o Uruguai

A Celeste enfrenta o Peru, sábado, em Salvador, enquanto La Roja, a Colômbia, sexta, no Itaquerão

Por MARCELO BERTOLDO

Cavani e Godín dobram a marcação na disputa da bola com Sánchez
Cavani e Godín dobram a marcação na disputa da bola com Sánchez -
Rio - Pelo desfile de astros que brilham no futebol europeu reunidos no mesmo palco, o Maracanã recebeu o duelo mais aguardado da fase de grupos da Copa América, entre Chile e Uruguai. Com o gol de Cavani, a Celeste venceu por 1 a 0 e garantiu nesta segunda-feira o primeiro lugar e terá pela frente o Peru, sábado, na Fonte Nova. Na sexta-feira, O Chile enfrenta a Colômbia, no Itaquerão, também pelas quartas de final.
Com velhos conhecidos do torcedor brasileiro - Aránguiz, ex-Internacional, e Vargas, ex-Grêmio -, o Chile abriu mão de Vidal, do Barcelona, poupado, mas desfez o mistério no ataque com a presença de Alexis Sánchez, do Manchester United, para vencer a defesa que contava com dois zagueiros do Atlético de Madrid: Godín e Giménez, para o deleite da maioria dos presentes no Maracanã, acostumados a acompanhar os ídolos apenas pela TV.
Com dribles e trocas de passe com velocidade, o camisa 7 da seleção 'Roja' deu trabalho aos encarregados de marcá-lo. Do outro lado, a dupla ofensiva que tem o privilégio de contar com Luis Suárez (Barça) e Cavani (PSG) depositava a esperança de conquistar a liderança. Titular pela primeira vez, Arrascaeta, do Flamengo, teve a missão de municiar ao lado de Lodeiro, ex-Botafogo e Corinthians, o ataque que é considerado o mais letal da competição.
Equilibrado, o primeiro tempo terminou sem gols, apesar da boa defesa de Muslera na finalização de Aránguiz e chance clara de gol desperdiçada pelo fominha Suárez no confronto com o goleiro Arias. O Maracanã, os espectadores e os craques em campo não mereciam um 0 a 0 sem graça.
Na volta do intervalo, as duas seleções tentaram acelerar o ritmo, sempre com precaução. Aos 23 minutos, Giménez salvou, em cima da linha, o gol na cabeçada de Díaz. O duelo ganhava em emoção, na disputa de quem cantava mais alto na arquibancada e cada dividida de bola. Sobrou até para o torcedor que invadiu o gramado e levou uma rasteira de Jara após driblar os seguranças do estádio.
O incidente não esfriou o jogo. Aos 36, Rodríguez cruzou para a letal cabeçada de Cavani garantir a vitória celeste e a liderança do Grupo C, com sete pontos, contra seis dos chilenos.
 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários