Quarentena fecha igrejas e campos de futebol em Maricá

Seguindo o decreto municipal, todo o comércio e serviços de atendimento ao público estarão fechados até dia 5 de abril.

Por O Dia

Cidade em quarentena
Cidade em quarentena -
Maricá - A quarentena geral decretada como uma das medidas centrais na estratégia de contenção à pandemia do coronavírus alcançou neste domingo os campos de futebol e as instalações religiosas. Campos de várzea e templos religiosos da cidade estiveram vazios. Apenas algumas igrejas evangélicas abriram para receber os fiéis, enquanto as católicas ficaaram fechadas por ordem da Arquidiocese de Niterói.

O domingo também foi de ruas vazias em toda a cidade. Seguindo o decreto municipal, todo o comércio e serviços de atendimento ao público estarão fechados neste fim de semana. Apenas mercados, supermercados, padarias, postos de combustível, farmácias, clinicas veterinárias e hortifrutis estão autorizados a abrir. Mas os demais podem funcionar com serviço de delivery ou entrega.

A matriz de Nossa Senhora do Amparo, no Centro, está abrindo somente para orações pessoais das 8h às 17h até a próxima quinta-feira, mas sem realizar missas. Mesmo sem poder marcar uma celebração em memória de um parente falecido, a professora Rosangela Santana aprovou a iniciativa da igreja e também as do governo municipal para esvaziar as ruas.

“Acho certo, tem que ser isso mesmo. Se pode prevenir é sempre melhor. Eu mesmo só saio de casa se precisar muito, como vim à farmácia passei aqui na igreja”, contou a moradora de Araçatiba de 52 anos, que usava uma máscara para se proteger.

As academias ao ar livre e playgrounds dos espaços públicos em toda a cidade foram interditadas pela Secretaria de Esportes para impedir a utilização. Enquanto uma equipe circulava por bairros como Inoã, Itaipuaçu e São José de Imbassaí, o próprio secretário Carlos Vagner Frauches esteve em áreas da região litorânea para cercar os aparelhos de ginástica e brinquedos.

“O que recomendamos às pessoas é que realizem sua atividade física em casa, mas que não cometam exageros que causem alguma contusão ou algo mais grave, pois não podemos sobrecarregar nosso sistema se saúde. O momento é de se isolar mesmo e aguardar que isso passe para voltar a praticar seu esporte em nossas áreas públicas”, afirmou o secretário, revelando que conversou com os responsáveis pelas equipes de futebol para que não houvesse jogos ou outra utilização nesses dias.

Atuando na área de saúde privada, um frequentador de Guaratiba há mais de 40 anos também parabenizou a prefeitura pela iniciativa de impedir o uso dos equipamentos. Para Roberto Lopes de Matos, que tem 61 anos e passa esses dias na casa do genro em frente à praça, a frequência ainda era grande no local.

“Até diminuiu nesses últimos dias, mas ainda tinha bastante gente vindo principalmente à noite, incluindo crianças e idosos. Fechar o espaços é válido para conscientizar a população, mesmo sendo triste ver um lugar tão bonito vazio assim, mas a Prefeitura fez o correto ao interditar”, ressaltou ele, reforçando que todos devem seguir as recomendação para não circular. “É para ficar em casa mesmo, não apenas por si mas também por todos”, afirmou.

Comentários