Primeiros empresários garantem créditos no Fomenta Maricá

Oito empresários da cidade estiveram na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Comércio, Indústria e Portos, parar formalizar a tomada de empréstimos emergenciais, que ajudarão a manter suas empresas abertas.

Por O Dia , O Dia

Fomenta Maricá
Fomenta Maricá -
Maricá - Mais uma ação desenvolvida pela Prefeitura de Maricá para dar suporte à economia local durante a pandemia de Covid-19 tomou forma nesta sexta-feira (22/05), com a assinatura dos primeiros contratos do programa Fomenta Maricá. Oito empresários da cidade estiveram na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Comércio, Indústria e Portos, parar formalizar a tomada de empréstimos emergenciais, que ajudarão a manter suas empresas abertas.

De acordo com o secretário Igor Sardinha, uma força-tarefa foi montada para agilizar a liberação do crédito, que se tornou escasso devido à pandemia. “Temos também uma situação de emergência, já que esses recursos servirão para manter esses negócios abertos”, explicou Sardinha.

Ainda segundo o secretário, o Fomenta Maricá já conta com R$ 30 milhões para os empréstimos, e há possibilidade de a Prefeitura aportar mais recursos, caso seja necessário. Nesta sexta-feira, o valor médio dos contratos assinados ficou em R$ 32 mil – o máximo para cada contrato é de R$ 40 mil. Até o momento, já foram feitas 1.200 solicitações de empréstimo, e as inscrições ainda podem ser feitas pelo site https://sim.marica.rj.gov.br/.

Gerente de Planejamento e Produtos da Agência de Fomento do Rio de Janeiro (AgeRio), Pedro Mota afirma que o breve tempo de avaliação das solicitações de crédito – o Fomenta foi lançado no último dia 7 de maio – se deve ao alto nível de gestão executado pela Prefeitura de Maricá.

“Dentro da AgeRio, é um dos processos que andou com maior velocidade, graças à sinergia com a poder municipal. A triagem da documentação feita pelos funcionários da Secretaria é excelente e contribui para agilizar a concessão dos empréstimos”, disse Mota, acrescentando que a concessão de linhas de crédito a empresários locais já vinha sendo discutida antes da pandemia, que apenas acelerou a montagem do programa.

Dono de uma loja de roupas no Barroco, em Itaipuaçu, há quase quatro anos, Anderson Tito também assinou o contrato do Fomenta nesta sexta-feira celebrou a entrada dos recursos, que o ajudarão a pagar fornecedores e aluguel do ponto comercial. “Estou de portas fechadas há dois meses, a situação estava mesmo muito difícil”, contou.

Alexandre Gota, proprietário de um restaurante no Centro há três anos, foi o primeiro a assinar um contrato do Fomenta Maricá. Segundo ele, a taxa de juros – de 3% ao ano, com tarifas subsidiadas – é muito atraente e pesou na hora da tomada do empréstimo. “Nunca enfrentamos uma situação tão difícil. Num momento em que começamos a acumular dívidas, esse dinheiro vem em boa hora. Inicialmente, vamos usar o recurso para manter os funcionários e quitar compromissos com fornecedores”, comemorou ele, que tem entre seis e 25 funcionários, de acordo com o período do ano.

 

Comentários